Defesa de advogado acusado de abusar de filhos recorre ao STF

Advogados querem prisão domiciliar para Sandro Fernandes, acusado de abusar da filha, filho, uma sobrinha e a cunhada

Kelli Franco, especial para o iG |

Wilian Olivato / Futura Press
O advogado Sergio Fernandes, acusado de abuso sexual contra os filhos
A defesa do advogado Sandro Fernandes, acusado de abusar sexualmente da filha, o filho, uma sobrinha, a cunhada e uma empregada, recorreu ao Supremo Tribunal Federal (STF) no último dia 10 para pedir que o acusado deixe a cadeia.

Dois pedidos de habeas corpus também estão em trâmite no Tribunal de Justiça de São Paulo, aguardando julgamento. No STF, eles pedem prisão domiciliar. O advogado está preso na Penitenciária de Tremembé. Para os advogados de Fernandes, ele deveria ser transferido para uma sala de Estado Maior _direito de advogados e promotores que respondem processos criminais.

Sandro Fernandes está preso desde o dia 30 de setembro. O juiz da segunda Vara Criminal de Bauru, Jaime Ferreira Menino, concedeu prisão preventiva para ele e a mulher, Fernanda Fernandes, acusada de coautoria nos crimes. Foram mais de 10 horas de depoimentos. O casal nega as acusações .

Os advogados também entraram com pedido de habeas corpus para Fernanda, que está presa na Cadeia Feminina de Avaí. O Ministério Público já deu parecer contrário à liberdade de Fernanda e o pedido agora está sendo analisando pelo juiz Jaime Menino. A expectativa é de que a soltura de Fernanda seja julgada ainda nesta sexta-feira.

Denúncias
A filha de Sandro Fernandes relatou que sofreu abusos sexuais dos 8 aos 16 anos . Atualmente, ela tem 18 anos. O mesmo aconteceu com a cunhada, que teria sofrido abusos quando tinha 10 anos. Hoje, ela também está com 18 anos. A terceira vítima, a sobrinha, teria sido abusada quando ia visitar os parentes em Bauru. A família dela mora em Curitiba e os abusos teriam acontecido quando ela tinha entre 9 e 10 anos. Atualmente, ela tem 13.

Quando Sandro viajou com a mulher em férias para a Europa, no final de agosto, a filha acabou contando para uma tia que era abusada pelo pai. Essa tia, mãe da menina de 13 anos, disse ter descoberto pouco tempo depois que a filha dela e a cunhada de Sandro também sofreram abusos. As duas meninas, já maiores de idade, decidiram, então, procurar a polícia, aproveitando a ausência do advogado.
No dia 1 de setembro foi registrado boletim de ocorrência, mas tudo foi mantido em sigilo. No último dia 26, as vítimas resolveram convocar a imprensa e dar detalhes dos fatos.

“Ele só me apalpava quando eu estava dormindo. Senão ele só se exibia”, conta a cunhada. “Eu pensava que era só comigo”, completa. Ainda segundo os relatos, em nenhum momento houve penetração com as vítimas.

    Leia tudo sobre: advogadoabuso sexualbauru

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG