O vigia Paulo Delci Unfried, preso por roubo e estupro em Matinhos, no litoral do Paraná, e que havia confessado à polícia ser o autor da morte do estudante Osíris Del Corso e de provocar lesões graves na namorada do rapaz, M.P.

L., voltou atrás em sua declaração, ontem, perante o juiz Rafael Luís Brasileiro Kanayama. Ele alegou ter emprestado a arma, que é dele e foi usada no crime, para uma pessoa, da qual não soube dizer o nome.

Colocada frente a frente com Unfried e Juarez Ferreira Pinto, acusado pela polícia e denunciado pelo Ministério Público (MP) como autor dos crimes, M. voltou a identificar Juarez. “Não tenho dúvida nenhuma de que foi ele”, ressaltou. Ela disse nunca ter visto Unfried e ele próprio confirmou ao juiz não conhecer a moça. O vigia foi convocado como testemunha nesse caso. Quando a polícia o prendeu, achou duas armas em seu carro. Uma delas foi confrontada com as balas encontradas no corpo de Del Corso, com resultado positivo.

Em razão disso, ele foi confrontado pela polícia e assumiu o crime contra os jovens, versão mantida depois para o MP. Na audiência de ontem, após negar a autoria do crime, Unfried disse que a arma foi comprada para caça, mas a emprestou para uma pessoa, da qual não tinha mais referências, no começo de janeiro, e que ela foi devolvida na primeira quinzena de fevereiro. O crime aconteceu no dia 31 de janeiro no Morro do Boi.

Promotoria

A Promotoria de Justiça de Matinhos afirmou entender que o depoimento, o reconhecimento feito por M. e a falta de álibi por parte de Juarez reforçam a tese da acusação. “Portanto, o acusado pelo crime continua sendo Juarez Ferreira Pinto”, segundo a nota.

Um dos advogados de Juarez, Mário Lúcio Monteiro Filho, disse que continua com a certeza de que seu cliente é inocente e acentuou que a audiência reforçou essa tese. “Confirmou-se que a arma é dele (Unfried), emprestou para um amigo que não sabe dizer quem é, nem onde mora e nem onde pode ser encontrado, e ainda confirmou que não conhece Juarez”, afirmou. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.