Em carta, casal diz que é inocente http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2008/04/07/apos_decisao_da_justica_delegado_diz_que_vai_manter_caso_isabella_em_sigilo_1262276.html target=_topApós decisão da Justiça, delegado decide manter caso em sigilo http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2008/04/07/policia_busca_imagens_do_pai_de_isabella_no_dia_do_crime_1261402.html target=_topJustiça autoriza quebra de sigilo telefônico de pai e madrasta de Isabella " / Em carta, casal diz que é inocente http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2008/04/07/apos_decisao_da_justica_delegado_diz_que_vai_manter_caso_isabella_em_sigilo_1262276.html target=_topApós decisão da Justiça, delegado decide manter caso em sigilo http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2008/04/07/policia_busca_imagens_do_pai_de_isabella_no_dia_do_crime_1261402.html target=_topJustiça autoriza quebra de sigilo telefônico de pai e madrasta de Isabella " /

Vídeo mostra imagens de Isabella em supermercado no dia em que morreu

SÃO PAULO - As imagens de um circuito interno de segurança de um supermercado, localizado em Guarulhos, na Grande São Paulo, mostram a menina Isabella Nardoni, de 5 anos, no dia em que ela morreu. Isabella, no dia 29 de março, antes de ir para casa passou em um supermercado com a família. A defesa: http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2008/04/03/em_cartas_pai_e_madrasta_de_isabella_afirmam_inocencia_1257049.html target=_topEm carta, casal diz que é inocente http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2008/04/07/apos_decisao_da_justica_delegado_diz_que_vai_manter_caso_isabella_em_sigilo_1262276.html target=_topApós decisão da Justiça, delegado decide manter caso em sigilo http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2008/04/07/policia_busca_imagens_do_pai_de_isabella_no_dia_do_crime_1261402.html target=_topJustiça autoriza quebra de sigilo telefônico de pai e madrasta de Isabella

Redação com Agência Estado |

Perícia descarta sangue no carro
Exames do Instituto de Criminalística (IC) de São Paulo praticamente afastaram a hipótese de que exista sangue no Ford Ka do consultor jurídico Alexandre Carlos Nardoni, de 29 anos, pai da menina Isabella, que morreu após cair do 6º andar do prédio onde mora o pai, na zona norte de São Paulo. Os resultados dos primeiros exames ficaram prontos ontem à noite.
Pouco depois das 20 horas, ainda faltavam algumas provas para serem examinadas, mas os peritos consideravam improvável que o teste desse positivo para sangue. As primeiras manchas eram aquelas em que a gente tinha uma esperança muito grande. O que sobra agora deve ser mancha de graxa ou de óleo, afirmou um dos peritos que trabalham no caso.

Reprodução
Isabella em foto do Orkut da mãe
Ainda falta o exame do material colhido no corredor do 6º andar do prédio onde o crime ocorreu e das manchas achadas no interior do apartamento. Um especialista em exame de DNA e de exames hematológicos foi destacado pela direção do IC para cuidar dessa análise.

No começo da noite de ontem, peritos do Instituto de Criminalística retornaram ao apartamento para nova perícia complementar. O objetivo era fazer mais medições do lugar para o laudo sobre a cena do crime. Eles aguardam ainda a definição da causa da morte da menina para resolver algumas das dúvidas.

De acordo com o diretor técnico do Instituto Médico-Legal, Hideaki Kawata, Isabella morreu em decorrência da queda . Para ele, os sinais encontrados no pulmão e no coração da menina podem sinalizar uma parada cardiorrespiratória, e não o resultado de uma tentativa de asfixia ou esganadura. Os legistas do IML, no entanto, não descartam que a morte de Isabella tenha sido motivada por asfixia.

O instituto aguarda a conclusão do exame toxicológico e patológico de Isabella para divulgar o laudo final. A polícia ainda busca fitas de vídeo com imagens do sistema interno de um supermercado de Guarulhos para saber com que roupa Alexandre estava no dia do crime. Eles querem confirmar se o consultor estava vestindo a camisa e a camiseta com manchas de sangue encontradas no apartamento de sua irmã, Cristiane Nardoni. Ela é dona de um imóvel no mesmo andar em que ocorreu o crime. Cristiane diz que as roupas pertencem a pedreiros. As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".

Habeas-corpus

O advogado de Alexandre e de Anna Carolina Jatobá, Marco Polo Levorin, entrou com pedido de habeas-corpus na tarde desta segunda-feira. O pedido deverá ser analisado pelo Tribunal de Justiça de São Paulo a partir desta terça-feira.

Mais cedo, o advogado de Alexandre, Ricardo Martins, afirmou que as roupas encontradas no apartamento de Cristiane Nardoni, uma das irmãs de Alexandre, são de prestadores de serviço e não do pai de Isabella. O imóvel de Cristiane fica no mesmo prédio em que ocorreu o crime.

O caso

AE
Isabella era filha do consultor jurídico Alexandre Alves Nardoni e da bancária Ana Carolina Cunha de Oliveira que eram divorciados. A cada 15 dias, ela visitava o pai e a madrasta Anna Carolina Trotta Peixoto, estudante.

No sábado, dia 29 de março, a garota foi encontrada morta no jardim do prédio do pai. A polícia descartou, desde o princípio, a hipótese de acidente e acredita que a garota tenha sido assassinada. O delegado titular do 9º Distrito Policial Carandiru, Calixto Calil Filho, declarou que há fortes indícios de que ela tenha sido jogada da janela do apartamento por alguém.

O delegado destacou o fato de a tela de proteção da janela do quarto ter sido cortada e de ninguém ter dado queixa de desaparecimento de pertences no local.

Leia também:

Opinião

    Leia tudo sobre: isabella

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG