Vice-presidente da CUT diz que já passou da hora de uma reforma política no país

BRASÍLIA - Em meio a tantas denúncias de corrupção e de esquemas de pagamento de propina, o vice-presidente nacional da Central Única dos Trabalhadores (CUT), José Lopez Feijóo, acredita que já passou da hora de uma reforma política no país.

Agência Brasil |

"Infelizmente, o Congresso Nacional não conseguiu avançar nessa questão", lamentou Feijóo ao fazer um balanço de 2009 e da atuação do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social, onde é conselheiro e um dos representantes dos trabalhadores. Outra queixa do sindicalista é sobre a morosidade do Congresso Nacional para discutir e aprovar uma reforma tributária que modernize a economia nacional.

Quanto aos problemas econômicos e financeiros, que retardaram o crescimento brasileiro em 2009, Feijoó destaca ações do conselho adotadas pelo comitê especial de acompanhamento da crise. Uma delas, sugerida ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva, foi a redução da taxa básica de juros, que deste julho vem sendo mantida pelo Comitê de Política Monetária (Copom) em 8,75% ao ano.

Feijoó destacou ainda as medidas de desoneração adotadas pelo governo para combater a crise e uma série de contrapartidas junto aos empresários para que os empregos fossem mantidos no intuito de aliviar um pouco os efeitos do enfraquecimento da economia no bolso do trabalhador e tentar reduzir o impacto da redução dos postos de trabalho com certa proteção ao emprego.

"Acho que foi um ano positivo. Estamos saindo da maior crise do capitalismo das últimas dez décadas, gerando emprego. Coisa que no mundo não está acontecendo. Gerando um milhão de postos de trabalho", disse.

O representante dos trabalhadores acredita ser factível o país gerar mais de 2 milhões novos postos de emprego como estima o ministro do Trabalho, Carlos Lupi.  Segundo ele, será extremamente viável este crescimento no nível de emprego no país, já que no ano de 2009, com a crise, foi gerado um milhão de postos de trabalho.

O vice-presidente da CUT acredita que 2010 será um ano muito bom não só do ponto de vista econômico, mas também sobre a ótica do desenvolvimento. Só espero coisas boas e que todos tenham um feliz Natal e bom ano novo, afirmou.

Leia mais sobre reforma política

    Leia tudo sobre: reforma política

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG