Vice de Requião busca apoio do PT e PSDB para 2010

O vice-governador do Paraná, Orlando Pessuti (PMDB), candidato declarado à sucessão do atual governador do Estado, Roberto Requião (PMDB), disse flertar com o PT e com o PSDB para compor alianças e criar palanques para a corrida eleitoral do ano que vem. Ele não esconde a preferência pela pré-candidata petista, a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, mas afirma ter mantido contatos com o chefe da Casa Civil do governo paulista, Aloysio Nunes Ferreira, que tem buscado apoio à possível candidatura do governador tucano José Serra.

Agência Estado |

O vice de Requião buscou reforçar a presença de Dilma no Paraná em contatos com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Atualmente, o PT tem pouca receptividade no Estado e um palanque limitado. O partido nunca conseguiu eleger o prefeito da capital, Curitiba, dominada pelo DEM e pelo PSDB. Tampouco obteve votação expressiva em nível estadual para o cargo de governador. Uma aliança abriria a possibilidade de crescimento da legenda no Paraná.

Sobre um possível acerto com os tucanos, Pessuti esbarra na forte aprovação do prefeito de Curitiba, Beto Richa (PSDB), reeleito para o cargo com ampla margem de votos. Richa não assume a pré-candidatura para o governo do Paraná, mas seu nome é cogitado para suceder Requião, ao lado do senador Álvaro Dias (PSDB), que já colocou seu nome à disposição do partido. “A dificuldade é grande porque temos dois bons candidatos”, disse o presidente do PSDB no Paraná, o deputado estadual Valdir Rossoni.

A luta do vice de Requião para reunir forças para 2010 tem alvo definido. É o senador Osmar Dias (PDT), que já articula um projeto de governo para o Paraná. Pesa ainda o fato de que Osmar tem experiência em disputas pelo governo do Estado. Ele perdeu a última eleição para Requião por apenas 10 mil votos. Osmar Dias, que é irmão do tucano Álvaro Dias, licenciou-se da presidência regional do PDT para se dedicar a reuniões pelo Estado. “Estou com minha candidatura na estrada e não tenho como recuar”, afirmou.

O nome de Osmar é bem aceito por lideranças petistas. “É um nome bem posicionado”, afirmou a presidente do PT no Paraná, Gleisi Hoffmann. “O PDT faz parte da base do governo, sempre foi nosso aliado e agora busca uma reaproximação, por isso não é nenhum absurdo um apoio”, disse. Apesar do cenário positivo para uma candidatura de Osmar Dias, será preciso uma definição rápida do PSDB. O senador não admite que haja uma disputa familiar com o irmão e colega de senado. “Gostaria de uma definição até agosto”, disse Álvaro. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG