Via Campesina reúne mil mulheres em protestos no PR

Aproximadamente mil mulheres fizeram uma manifestação, entre as 6 e 10 horas da manhã, em frente à Usina Central do Paraná, em Porecatu, a 460 quilômetros de Curitiba, no norte do Estado, como uma forma de marcar o Dia Internacional da Mulher. À tarde, em Florestópolis, município vizinho, elas promoveram um ato de solidariedade a cortadores de cana da Cooperativa Agroindustrial Cofercatu, que estavam em greve até a semana passada em razão de atraso nos salários, o que foi normalizado sexta-feira.

Agência Estado |

As manifestantes, ligadas à Via Campesina, chegaram de várias regiões do Paraná. Segundo a assessoria de comunicação da entidade, a usina de Porecatu foi escolhida em razão de denúncias de trabalho escravo. Dados da Via Campesina apontam que, somente em 2008, foram encontrados 228 trabalhadores em situação degradante em fazendas do grupo controlador da usina. "A monocultura da cana gera trabalho escravo, violência e miséria", disse a assessora Solange Engelmann.

O almoço foi realizado na Fazenda Santa Maria, em Florestópolis, invadida pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) em 21 de fevereiro. Nessa cidade, a Via Campesina fez uma manifestação na praça principal e entregou alimentos produzidos em assentamentos do Estado para os cortadores de cana. Nos discursos, as mulheres pediram a desapropriação de áreas onde são observados casos de trabalho escravo e crimes ambientais para o assentamento imediato das famílias que estão acampadas no Estado.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG