Ontem terminou o prazo para apresentação de emendas ao orçamento da Prefeitura de São Paulo, antes da segunda votação do projeto pela Câmara Municipal, que deve ocorrer na próxima semana. A bancada de oposição do PT, por exemplo, com 12 parlamentares, apresentou 78 emendas, num total de R$ 1 bilhão.

Cerca de R$ 400 milhões iriam para a construção de hospitais em Parelheiros, na zona sul, e no Jaçanã, na zona norte, e R$ 300 milhões para Metrô e corredores de ônibus.

Já a idéia dos vereadores tucanos, pela manhã, era abrir mão de suas emendas e encaminhar os recursos para o Metrô. Com um bancada de 13 vereadores, a ação do PSDB pode destinar mais R$ 26 milhões para a ampliação da linha, uma das bandeiras da campanha de Kassab à reeleição. A promessa do prefeito é de investir R$ 250 milhões por ano no metrô.

O Executivo havia fechado um acordo com o Legislativo que previa que cada um dos 55 parlamentares que iniciam o mandato em janeiro, além dos atuais, poderia apresentar emendas de até R$ 2 milhões, que são normalmente usadas pelos políticos em obras em seus redutos eleitorais. Procurado, Kassab (DEM), disse ver 'com muita simpatia' a avaliação que está sendo feita pelas bancadas de direcionar a verba disponível para emendas de cada vereador para a ampliação do metrô. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.