Vereador confessa adesão à Máfia das Sanguessugas

Condenado em primeira instância por envolvimento com a Máfia dos Sanguessugas, o vereador e ex-deputado federal Cabo Júlio (PMDB) decidiu confessar a participação no esquema criminoso por meio de uma carta de desabafo postada em seu blog. Após ser internado com fortes dores abdominais, o vereador da Câmara Municipal de Belo Horizonte publicou, dia 7, um longo texto intitulado Pensei que fosse morrer de tanta dor, no qual afirma em letras garrafais que errou e permitiu que a corrupção invadisse sua alma.

Agência Estado |

"A máfia das ambulâncias foi um dos piores momentos da minha vida política; um momento de muita crueldade com a minha família. Não culpo ninguém, a culpa foi exclusivamente minha. Mas me negaram o direito de mostrar o meu lado da história. Eu errei, eu permiti que a corrupção e o erro invadissem minha alma", disse o ex-deputado, que é evangélico.

Em agosto do ano passado, a 7ª Vara da Justiça Federal em Belo Horizonte condenou Cabo Júlio a devolver a quantia de R$ 143 mil "indevidamente acrescida ao seu patrimônio" e a pagar multa correspondente a três vezes o valor. A decisão judicial, segundo o Ministério Público Federal (MPF), foi a primeira vitoriosa em Minas contra a Máfia dos Sanguessugas - esquema de fraudes em licitações e apropriação de dinheiro público na compra de ambulâncias e de equipamentos hospitalares.

O ex-deputado também foi denunciado pelo MPF em outra ação referente ao esquema, na qual nove ex-prefeitos de oito municípios do norte de Minas foram acusados formalmente. Cabo Júlio questiona o fato de ter sido o único já condenado entre os 84 parlamentares investigados por participação nos desvios de recursos.

"Paguei e continuarei pagando um preço muito caro pelo meu erro imperdoável. Mesmo tendo 84 deputados investigados, fui o único a ser condenado em primeira instância. Apesar de recorrer, será que sou pior do que todos os outros 83?", perguntou. "Não fui e não sou inocente. Deus sabe que não sou. Mas também não errei o tanto que me acusaram de errar".

Quando do anúncio de sua condenação, o vereador peemedebista prometeu apelar da decisão e classificou a sentença como "totalmente desprovida de fundamentação jurídica". Alegou que na ação não havia nenhuma prova contra ele e disse que estava confiante de que os tribunais superiores irão reformar a decisão.

No encerramento da carta postada em seu blog, Cabo Júlio agradece aos assessores responsáveis pela página por respeitarem sua vontade e permitirem que a mensagem fosse publicada na íntegra. A assessoria do vereador informou hoje que ele permanecia em repouso por recomendação médica e não atenderia a imprensa.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG