Ventos podem chegar a 72 km/h no litoral do RS e SC

SÃO PAULO - O domingo será de chuva forte e ventos de até 72 quilômetros por hora no litoral do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina. Nesta segunda-feira, no entanto, o mau tempo deve dar uma trégua, segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet).

Agência Estado |

O ciclone que atingiu o sul do país nesse final de semana teve ventos de até 100 km/h e deixou 22.500 pessoas desabrigadas no Rio Grande do Sul. Pelo menos duas pessoas morreram no Estado, apesar de os ocorridos ainda não constarem nos registros da Defesa Civil gaúcha.

O meteorologista do Inmet em Brasília Mamedes Luiz Melo diz que a próxima madrugada ainda terá vento e chuva. "A madrugada será chuvosa em Porto Alegre, no litoral gaúcho e no sul de Santa Catarina, mas amanhã pára de chover e o vento diminui", diz. A previsão é de ventos de 36 km/h em Porto Alegre, 72 km/h no litoral do Rio Grande do Sul e de 64 km/h no sul catarinense.

O ciclone se formou no nordeste do Rio Grande do Sul, atingiu a região metropolitana de Porto Alegre, a serra gaúcha e o litoral norte, com ventos de 90 km/h na Grande Porto Alegre e de 100 km/h na região de praias. Os efeitos da intempérie foram sentidos em Santa Catarina quando o ciclone se deslocou para o oceano.

Segundo o meteorologista do Inmet na região Sul Gil Russo, os efeitos do ciclone foram graves. Casas foram destelhadas e árvores arrancadas pela raiz. "O caos aconteceu porque o ciclone se concentrou em uma área urbana, de grande concentração populacional e com muitas construções."

A Companhia Estadual de Energia Elétrica (CEEE) ainda trabalha para normalizar o fornecimento no Estado. A estrada estadual que liga os municípios gaúchos de Maquiné e Barra do Ouro está interrompida, depois que o Rio Maquiné transbordou, segundo informações da Defesa Civil do Rio Grande do Sul.

A Defesa Civil de Santa Catarina faz na manhã de hoje uma visita a Ermo, no Sul do Estado, área mais castigado pelo ciclone. O nível do rio da cidade subiu e deixou 40 famílias desabrigadas. Foi decretada situação de emergência. Outros 12 municípios do Sul do Estado também sofreram os efeitos da intempérie.

Cidades em estado de emergência

Os municípios de Ermo, Jacinto Machado, Paulo Lopes e Arroio Silva, no Estado de Santa Catarina, estão em situação de emergêncian conforme informações do Departamento Estadual de Defesa Civil do Estado.

Ainda segundo a Defesa Civil, a cidade catarinense mais atingida é Ermo, onde 40 famílias estão desabrigadas e foram encaminhadas ao prédio da prefeitura. Em Jacinto Machado, algumas famílias estão desalojadas e foram levadas a casas de parentes. Já os moradores dos outros dois municípios afetados sofrem com os alagamentos, as inundações e a destruição causados pelas chuvas, mas não há desabrigados nem desalojados. Outras 27 cidades foram atingidas no Estado, porém a situação delas é um pouco menos caótica.

No Rio Grande do Sul, o município de Guaíba é um dos mais atingidos, apesar de a Defesa Civil não informar quantas pessoas foram afetadas. Já em Porto Alegre, mais de 1,5 mil pessoas estão desalojadas e foram acolhidas na casa de parentes e amigos. Cerca de 350 pessoas foram encaminhadas a abrigos da prefeitura.

Contudo, segundo a Defesa Civil, ainda não há cidades em situação de emergência. No litoral do Estado, os municípios de Santo Antônio da Patrulha, Caraá e Itati são os mais afetados. Na zona sul Restinga, Belém Novo, Belém Velho, Ponta Grossa e Lami, foram os bairros mais prejudicados. Já na zona norte, Sarandi e o Porto Seco são os bairros mais atingidos

Mortes

Neste sábado, o temporal com forte chuva e rajadas de vento de até 100 quilômetros por hora provocou a morte de um motorista e de uma idosa de aproximadamente 80 anos, de acordo com o jornal "Zero Hora". A idosa morreu em uma residência invadida pela água na Estrada do Espigão, no Lami, Região Metropolitana de Porto Alegre. A causa da morte ainda é desconhecida.

O caminhoneiro José André Pinheiro Parnechi, de 36 anos, também morreu em decorrência do temporal em Serafina Correa, na Serra do RS. Ele desceu de seu veículo para ajudar outros motoristas a remover galhos da RS-129. Quando estava na pista foi atingido por outra árvore, derrubada por nova rajada de vento, e não resistiu aos ferimentos.

Leia mais sobre: ciclones

    Leia tudo sobre: ciclone

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG