Velório da ex-primeira-dama Ruth Cardoso está marcado para as 11h na Sala São Paulo

SÃO PAULO - O corpo da ex-primeira-dama Ruth Cardoso deve ser velado a partir das 11h desta quarta-feira na Sala São Paulo, localizada na região central de São Paulo. O velório seguirá até as 21h. Já o enterro está marcado para quinta-feira, às 11h, no Cemitério da Consolação.

Agência Estado |

Ruth Cardoso, de 77 anos, morreu na terça-feira às 20h40, no apartamento da família, localizado no bairro de Higienópolis, em São Paulo. Um enfarte fulminante foi apontado pelos médicos como a causa da morte.

Alisson Louback

Ruth Cardoso

Ruth Cardoso tinha problemas cardíacos há mais de seis anos e já havia passado por duas cirurgias para a implantação de stents - próteses metálicas colocadas no interior das artérias coronarianas para a desobstrução do fluxo sanguíneo.

A ex-primeira-dama foi internada na última quinta-feira no Hospital Sírio Libanês com fortes dores no peito que foram diagnosticadas como uma crise de angina - falta de irrigação sanguínea nos músculos cardíacos. Ruth permaneceu internada até segunda-feira de manhã, quando recebeu alta.

No mesmo dia foi internada no Hospital do Rim e Hipertensão (ligado ao Hospital São Paulo, da Universidade Federal de São Paulo), na rua Borges Lagoa, zona sul de São Paulo, onde passou por um cateterismo - procedimento invasivo para diagnosticar ou corrigir problemas cardíacos.

AE

AE

Ruth durante a posse de FHC na presidência, em 1995

Dessa vez, passou menos de 24 horas internada e foi liberada pelos médicos para ir para casa. Segundo o cardiologista Arthur Beltrame, médico que fazia o acompanhamento da ex-primeira-dama, o procedimento foi considerado bem sucedido pela equipe clínica. Ela tinha problemas coronarianos há mais de seis anos e hoje teve uma morte súbita, afirma.

Beltrame explica que não havia motivos para mantê-la internada. O cateterismo foi considerado normal e os médicos estavam contentes com o resultado. No entanto, a medicina não é uma ciência exata, não é onipotente, afirma.

Em nota do Hospital do Rim e Hipertensão, lida em frente ao prédio da família, os médicos afirmaram que o problema arterial encontrado durante o cateterismo é o mesmo que já havia sido diagnosticado em 2004. De acordo com a nota, Ruth teve uma forte arritmia cardíaca antes de morrer. O comunicado é assinado pelos cardiologistas do Hospital do Rim e Hipertensão e da Unifesp, Arthur Beltrame, Valter Lima e Edson Stefanini.

Ao lado do filho

Segundo Leôncio Martins Rodrigues, professor aposentado de ciência política da USP e da Unicamp e amigo da família, Ruth Cardoso estava junto com o filho no quarto, quando morreu. Fernando Henrique participava de uma conferência. "Foi totalmente inesperado. Ontem, conversei com ela, estava bem, fez até piada. Foi uma grande professora, sua morte é uma grande perda", diz Leôncio.

Na terça-feira, o governador de São Paulo, José Serra, decretou luto oficial de três dias.

Por causa da internação de Ruth, FHC não compareceu no domingo à Convenção Municipal do PSDB em que o partido definiu apoio à candidatura do ex-governador Geraldo Alckmin a prefeito da capital paulista, contra a adesão ao prefeito Gilberto Kassab (DEM), candidato à reeleição. O PSDB cancelou as comemorações pelos 20 anos do partido , que ocorreriam nesta quarta-feira.

Perfil

Ruth Vilaça Correia Leite Cardoso nasceu em Araraquara, no dia 19 de setembro de 1930. Era doutora em Antropologia pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (FFLCH-USP). Ruth teve três filhos.

AE

AE

Como docente e pesquisadora atuou na USP, Faculdade Latino-americana de Ciências Sociais (Flacso/Unesco), Universidade do Chile (Santiago do Chile), Maison des Sciences de L'Homme (Paris), Universidade de Berkeley (Califórnia) e Universidade de Columbia (Nova Iorque).

Era membro associado do Centro para Estudos Latino-Americanos da Universidade de Cambridge (Inglaterra) e membro da equipe de pesquisadores do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap - São Paulo).

Publicou vários livros e trabalhos sobre imigração, movimentos sociais, juventude, meios de comunicação de massa, violência, cidadania e trabalho.

Durante o mandato do marido, fundou e presidiu o Comunidade Solidária, atual Comunitas, organização responsável por programas sociais e de voluntariado.

(Com informações da Agência Estado)

    Leia tudo sobre: ruth cardoso

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG