Veja as posições de Serra e Dilma em temas centrais

BRASÍLIA (Reuters) - As eleições presidenciais deste ano devem oferecer menos riscos aos investidores do que os pleitos anteriores uma vez que os dois pré-candidatos que lideram as pesquisas --José Serra (PSDB) e Dilma Rousseff (PT)-- pertencem a partidos bem conhecidos e parece não haver surpresas. Ainda assim, há algumas diferenças importantes entre os dois candidatos. Veja a seguir a visão de especialistas sobre as posições dos candidatos em temas centrais.

Reuters |

* Superávit primário - Os dois candidatos manteriam um superávit primário no Orçamento para efetuar pagamentos da dívida pública e reduzir a sua proporção em relação ao PIB (Produto Interno Bruto). Alguns analistas acreditam que Serra conteria os gastos correntes de maneira mais eficiente.

Os gastos no período pré-eleitoral podem complicar a saúde das contas públicas nacionais, forçando o futuro governo a adotar medidas de aperto financeiro. O gasto público subiu fortemente em 2009, reduzindo o superávit primário para pouco mais de 1 por cento do PIB, contra 4 por cento anteriormente.

* Política monetária - Os candidatos não devem abandonar a meta de inflação, mas ambos criticaram o Banco Central por ser muito rigoroso em perseguir esse objetivo e não baixar as taxas de juros rápido o suficiente para promover crescimento. Durante a crise financeira de 2009, Serra pediu maiores cortes nas taxas ao invés de cortes paulatinos. Dilma disse que o Banco Central deve considerar o crescimento econômico e a geração de empregos ao perseguir uma política monetária, ao invés de se concentrar somente na inflação.

* Câmbio - Ambos devem manter a taxa de câmbio flutuante, mas Serra tem alertado repetidamente que o real está sobrevalorizado e alguns analistas acreditam que ele pode adotar medidas mais agressivas para enfraquecer a moeda nacional e, assim, ajudar os exportadores.

* Empresas estatais - Dilma é a favor de um papel maior das estatais na economia, o que pode reduzir a participação de empresas privadas em alguns setores, como o bancário, de petróleo e gás. Enquanto Serra privatizou um banco estatal de São Paulo (Nossa Caixa), Dilma apoiou Lula na expansão do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal.

* Política externa - Espera-se que Dilma dê continuidade à política externa de Lula, que inclui o estreitamento dos laços com países em desenvolvimento, incentivando uma reforma nas agências multilaterais e tentando um lugar no Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU). Serra deve reduzir as relações com alguns dos aliados de esquerda de Lula na América Latina, o que pode afetar os investimentos de energia na Bolívia e na Venezuela. O tucano também pode ter uma abordagem mais agressiva em disputas comerciais com a Argentina e outros membros do Mercosul.

* Alianças - As coalizões governamentais no Brasil são notoriamente instáveis e tendem à corrupção. Tanto Serra quanto Dilma podem não possuir a esperteza política de Lula para manter uma ampla coalizão unida. Dilma nunca concorreu em eleições.

(Reportagem de Raymond Colitt, com reportagem adicional em Brasília de Maria Carolina Marcello e Ana Paula Paiva)

    Leia tudo sobre: eleições 2010

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG