RIO DE JANEIRO (Reuters) - A produção da indústria brasileira cresceu mais que o esperado em abril, no maior ritmo mensal desde outubro, puxada pelos setores automotivo e de investimentos.

A alta foi de 2,8 por cento em março ante fevereiro, a maior desde outubro passado, e de 19,7 por cento contra igual mês de 2009, a quarta elevação seguida de dois dígitos, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta terça-feira.

" /

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A produção da indústria brasileira cresceu mais que o esperado em abril, no maior ritmo mensal desde outubro, puxada pelos setores automotivo e de investimentos.

A alta foi de 2,8 por cento em março ante fevereiro, a maior desde outubro passado, e de 19,7 por cento contra igual mês de 2009, a quarta elevação seguida de dois dígitos, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta terça-feira.

" /

Veículos e investimentos elevam produção industrial

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A produção da indústria brasileira cresceu mais que o esperado em abril, no maior ritmo mensal desde outubro, puxada pelos setores automotivo e de investimentos.

A alta foi de 2,8 por cento em março ante fevereiro, a maior desde outubro passado, e de 19,7 por cento contra igual mês de 2009, a quarta elevação seguida de dois dígitos, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta terça-feira.

Reuters |

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A produção da indústria brasileira cresceu mais que o esperado em abril, no maior ritmo mensal desde outubro, puxada pelos setores automotivo e de investimentos.

A alta foi de 2,8 por cento em março ante fevereiro, a maior desde outubro passado, e de 19,7 por cento contra igual mês de 2009, a quarta elevação seguida de dois dígitos, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta terça-feira.

Analistas consultados pela Reuters projetavam expansão de 1,4 por cento mês a mês e avanço anual de 17,9 por cento.

No primeiro trimestre, a atividade acumulou salto de 18,1 por cento.

Em março sobre fevereiro, houve crescimento da produção em 19 dos 27 setores, com destaque para Veículos automotores (10,6 por cento), Alimentos (5 por cento) e Máquinas e equipamentos (5,2 por cento). Esse último é uma importante medida de investimentos.

Entre as categorias de uso, todas tiveram aumento da atividade, lideradas por bens de capital (3 por cento). Bens de consumo semi e não duráveis tiveram aumento de 1,3 por cento, bens intermediários cresceram 1,3 por cento também e bens de consumo duráveis tiveram variação positiva de 0,1 por cento.

Sobre março de 2009, a atividade aumentou em 25 dos 27 setores. Destacaram-se Veículos automotores (36,6 por cento) e Máquinas e equipamentos (49,5 por cento.

Também nesta comparação todas as categorias de uso registraram crescimento: bens de capital (38,4 por cento), bens de consumo duráveis (25,8 por cento), bens intermediários (18,6 por cento) e bens de consumo semi e não duráveis (11,4 por cento).

(Reportagem de Rodrigo Viga Gaier)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG