Veículos apreendidos correm risco de virar sucata em SP

Carros apreendidos pela polícia de São Paulo desaparecem, pegam fogo ou são desmanchados nos 38 pátios particulares onde deviam estar protegidos. Muitos se tornaram sucata.

Agência Estado |

Há casos de veículos apreendidos sem boletim de ocorrência. A estimativa é que há pelo menos 30 mil carros, motos e caminhões expostos a esses riscos.

Enquanto isso, o Departamento Estadual de Trânsito (Detran) aguarda há meses que as delegacias de São Paulo enviem uma lista do que pode ser leiloado. Há pátio em área de proteção ambiental e estacionamento que a polícia diz ainda usar, mas que o dono não vê a hora de fechá-lo, pois não aguenta mais ter de dar explicações pelos furtos de peças.

Para os pátios vão veículos roubados e furtados, carros com chassi adulterado, com dívida de IPVA, com multas não pagas ou envolvidos em irregularidades e crimes de trânsito. O Estado visitou alguns desses lugares e constatou o abandono desses veículos, o desmanche e até a destruição de carros.

O problema chegou ao Ministério Público Estadual, que abriu duas investigações sobre o caso: uma na Promotoria do Meio Ambiente e outra no Grupo de Atuação Especial e Controle Externo da Atividade Policial (Gecep). A lista de pátios foi fornecida pela própria polícia. A pedido do Gecep, cada Delegacia Seccional informou os lugares usados pelos distritos policiais que lhe são subordinados. Houve quem listasse até estacionamentos usados no passado, mas que estão fechados.

Chamado pelo Gecep para dar explicações na Justiça , o delegado Gilson Cezar Pereira da Silveira, que até a semana passada cuidava no Detran da regulamentação de pátios, resumiu a situação. "Enquanto tudo vai bem, tudo bem; quando surgem os problemas, ‘vamos arrumar a casa’: essa é uma expressão que nós utilizamos."

Leilões

Segundo a Secretaria da Segurança Pública, para se livrar dos veículos que lotam os 38 pátios usados pela polícia na capital, a ideia é leiloá-los. O delegado Gilson Cézar Pereira da Silveira revelou o plano em depoimento à Justiça. "O Estado tem de ter um depósito para isso. Ao menos a secretaria tem de prover a Polícia Judiciária de um local que ela possa colocar (os veículos)", disse ele no depoimento. Silveira afirmou que o Detran entregou o plano à secretaria em julho. Ele saiu do Detran após a mudança na direção do órgão, no dia 9.

Como a polícia não tem para onde levar os carros, a solução para o imbróglio seriam os leilões. Mas, segundo o delegado, as delegacias enviaram até agora "de uma forma muito tímida, quantidades pequenas de veículos". O policial admitiu que nos pátios existem "veículos remontados, um em cima do outro, sucata". O policial disse ter sabido que, num pátio, havia veículo "apreendido sem BO, que não se tem continuidade em inquérito policial". "Eu falei para o meu diretor (o delegado Ruy Estanislau Silveira Melo): aqui está terrível", disse Silva. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG