Vazamento de gás interrompe trabalhos da Câmara

BRASÍLIA - Um vazamento de gás ocorrido no laboratório de análises clínicas do departamento médico da Câmara dos Deputados (Demed), por volta das 14h, provocou a suspensão dos trabalhos nos prédios anexos 2 e 3 da Câmara.

Regina Bandeira - Último Segundo/Santafé Idéias |

No Anexo 3, onde fica o posto médico, cerca de 900 pessoas foram obrigadas a sair do prédio. O departamento médico foi isolado e apenas os pacientes que se dirigiam para  a emergência puderam ser atendidos. No chamado anexo 2, onde são feitas as reuniões das comissões temáticas, havia cerca de 1.500 pessoas, que tiveram de se retirar para evitar uma possível contaminação.

Segundo o supervisor de área do corpo de bombeiros capitão Otmar Manfred Schneider, ainda não se sabe o que provocou o vazamento. Especialistas que trabalham no local ¿ e que preferiram não se identificar ¿ disseram que o produto é o 2 Beta Mercapto Etanol, um reagente tóxico e inflamável, que teria vazado de dentro de um aparelho de exames imunológicos recém instalada no departamento.

A amostra dos produtos será analisada pelo Centro de Informação Toxicológico da Secretaria de Saúde do Distrito Federal.

O diretor-geral da Câmara, Sérgio Sampaio, adiantou que duas pessoas estão em observação com suspeitas de terem tido contato com o gás. Uma delas é o funcionário da Casa o farmacêutico Welington Divino, que trabalha ao lado do Laboratório de Análises Clínicas.  Divino sentiu irritação na pele, tontura, mal estar e ardência nos olhos e está sendo descontaminado pelos bombeiros.

Menos de uma hora depois do acidente, oito viaturas dos Bombeiros foram deslocadas para a Câmara. As duas vítimas ficarão sob observação. O 1º Batalhão de Incêndios do DF e do Batalhão de Busca e Salvamento atuam no local para identificar o vazamento e liberar o local.

Leia mais sobre: vazamento de gás

    Leia tudo sobre: gás

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG