Publicidade
Publicidade - Super banner
Brasil
enhanced by Google
 

Varizes: um mal que não atinge só pessoas da meia idade

Varizes: um mal que não atinge só pessoas da meia idade Por Giuliana Reginatto São Paulo, 18 (AE) - A herança genética é um fator decisivo para o aparecimento das varizes, doença popularmente identificada como veias dilatadas na perna. Se mãe e pai têm o problema, a pessoa corre 90% de risco de desenvolvê-lo, afirma o médico Fernando Soares Moreira, especialista pela Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular (SBACV).

Agência Estado |

Já o momento em que elas aparecerão dependerá do estilo de vida do paciente. "Sedentarismo, obesidade e uso precoce das pílulas anticoncepcionais estão acelerando o surgimento das varizes em quem tem essa predisposição genética", completa.

Se no passado a doença era associada a mulheres com mais de 40 anos, já mães, hoje os consultórios recebem pacientes mais jovens, algumas em plena adolescência. "Cerca de 85% da minha clientela tem entre 25 e 35 anos", relata Moreira. "Já fiz cirurgia de varizes em uma menina de 13 anos, além de intervenções no público de 14, 15 anos", diz o médico Ivanésio Merlo, cirurgião vascular há mais de 30 anos e ex-presidente da SBACV - regional Rio de Janeiro.

Aos 25 anos, a jornalista e atriz Pamela Luciano já se prepara para enfrentar uma cirurgia de varizes. Ela conta que herdou o problema da mãe e que os fatores ambientais contribuíram para o seu aparecimento precoce. "Fico muito tempo sentada no trabalho e tomo anticoncepcional há quatro anos. Além disso, passei um bom tempo sem pegar firme na atividade física: começava e parava", lembra. Pamela relata sintomas típicos de quem tem varizes: ardência, coceira e sensação de peso nas pernas. "Fico olhando as veias saltadas, isso me incomoda muito."

O prejuízo estético é, na verdade, o menor dos inconvenientes associados às varizes. Segundo dados do Ministério da Saúde, a doença atinge 35% dos brasileiros adultos e tem potencial incapacitante - é a 14ª causa de afastamento do trabalho no País. "Com os inchaços, a pele do tornozelo vai ficando fina, suscetível a processos inflamatórios, podendo formar úlceras repetidas que nunca cicatrizam e levam à perda de mobilidade no tornozelo", explica o médico Calógero Presti, presidente da SBACV - regional São Paulo.

Passar muito tempo em posições de imobilidade, sobretudo em pé, também contribui para o agravamento do quadro. É culpa da lei da gravidade: "Na postura ereta, aumenta a pressão do sangue nos membros inferiores, dificultando o retorno desse sangue ao coração e provocando a dilatação das veias", explica Presti.

O médico Eduardo Fávero, especialista em angiologia pelo Instituto de Cirurgia Vascular e Endovascular de São Paulo, diz que as oscilações hormonais, como aquelas provocadas pelas pílulas, ajudam a explicar a incidência alta de varizes em mulheres: a doença afeta quatro delas para cada homem, segundo estatísticas da SBACV. O estrogênio, principal hormônio feminino, exerceria impacto negativo sobre a parede das veias. "As varizes vêm nos picos hormonais, que na mulher são três: quando começa a usar pílula, quando engravida e durante a reposição hormonal", descreve. Abaixo, ele e outros especialista esclarecem as dúvidas mais comuns sobre a doença.

BOXE

DÚVIDAS MAIS COMUNS

- Cruzar as pernas ou subir escada é ruim?
Mentira. São dois mitos, segundo Fávero. "Ao cruzar a perna uma veia importante, atrás do joelho, pode ser comprimida. Mas não se fica o dia todo nesta posição, logo não vai gerar varizes", diz.

- Hábito alimentar interfere na doença?
Calogéro Presti, da SBACV-SP, indica alimentos ricos em fibras. "A constipação interfere nas varizes já que a pessoa precisa fazer força para evacuar, estimulando a dilatação das veias dos membros inferiores. O excesso de sal também é contraindicado, pois promove retenção hídrica e aumento de líquidos nas veias", diz.

- Depilação com cera quente traz varizes?
Moreira diz que após a depilação com cera quente a pele fica avermelhada, o que pode gerar a confusão. "Com o calor, que estimula a dilatação das veias, as varizes que o paciente já tem apenas ficam mais perceptíveis", explica. Já o calor contínuo, como aquele sentido por pessoas que trabalham em ambientes quentes, pode agravar o quadro de varizes. "Cozinheiras, que trabalham ao lado de fornos e ainda ficam muito tempo em pé, são uma população de risco", acredita Presti.

- Usar salto alto provoca varizes?
É meia-verdade. Os especialistas costumam chamar a panturrilha de ‘coração’ da perna, porque é ela que promove o retorno para o coração do sangue que chega aos membros inferiores. "Ao caminhar, há movimentos de contração e relaxamento no músculo da panturrilha. Com o salto muito alto, perde-se a fase do relaxamento, prejudicando o bombeamento do sangue", explica Fávero. "Se o salto for baixo, até 5cm, não há problemas: é até melhor que as rasteirinhas", completa Moreira.

- Fazer musculação piora o quadro?
É meia-verdade. Não existe um consenso entre os médicos sobre o tema, mas a maioria aposta no exercício como uma forma de fortalecer a musculatura da panturrilha, facilitando o retorno do sangue ao coração - desde que o exercício seja praticado com moderação. "Fala-se em risco no caso de fisiculturismo, em quem pratica halterofilismo todo dia", diz Fávero. "Fazer exercícios é fundamental, mas prefira atividades na água, como natação, sempre com indicação profissional", aconselha Presti.

COMO TRATAR ?

SAÚDE X ESTÉTICA
- Vasinhos são diferentes de varizes. Os primeiros, chamados de aranhas vasculares, são superficiais, azulados ou vermelhos - não indicam um estágio inicial de varizes e são um problema estético. "Um vasinho secado não volta. Pode surgir um outro vasinho, perto daquele que foi secado", diz Moreira.

Para varizes, há dois tratamentos:
1. Cirurgia: retirada das varizes. Em geral o paciente já anda no dia seguinte à intervenção.

2. Escleroterapia: menos agressiva, de aplicação ambulatorial. Pode ser feita com injeções de substâncias (espuma ou glicose) no vaso, com radiofrequência ou com laser (essas duas últimas queimam o vaso).

COMO EVITAR ?

Quem tem predisposição para a doença provavelmente irá, cedo ou tarde, desenvolvê-la. Melhor que seja tarde. É possível amenizar a intensidade das varizes e retardá-las com hábitos de vida:
1. Pratique exercícios físicos ao menos três vezes por semana para manter o peso sob controle.

2. A cada duas horas que ficar parado, ande por 10 ou 15 minutos.

3. Antes de adotar a meia elástica, consulte o médico - são excelentes contra as varizes, mas se o paciente tiver também doenças arteriais, a meia poderá agravar o quadro, causando até gangrena.

4. Procure alternativas para as pílulas. Prefira as que têm baixa dosagem hormonal.

Leia tudo sobre: iG

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG