Vanessa da Mata lança DVD gravado em Paraty

SÃO PAULO ¿ Desde que lançou o primeiro álbum, Vanessa da Mata alimentava a ideia de realizar um DVD. Mas nunca era como ela queria. Agora deu certo e ficou bem bom o resultado de seu Multishow ao Vivo, que difere do padrão de outros da série, por diversos motivos.

Agência Estado |

Primeiro que o show foi gravado ao ar livre em Paraty, no litoral sul do Rio de Janeiro. Além do belíssimo cenário da cidade, o ambiente e a situação são propícios ao relaxamento. E neste primeiro registro ao vivo, Vanessa canta para um público favorável, diversificado e interessado, participativo, mas não inconveniente.

Havia também a possibilidade de Vanessa realizar a gravação em outra cidade histórica, Mariana, no interior de Minas, mas a distância e a dificuldade maior de acesso aumentaria muito o custo. "Tínhamos como opção também fazer no Rio ou em São Paulo, em casas convencionais, que era uma coisa que eu tinha bode. Por isso mesmo demorei tanto tempo pra fazer um DVD. Queria um lugar que remetesse à minha infância e que deixasse o Brasil à mostra. Que não tivesse a cara de muita maquiagem. Que fosse um DVD em que você se sentisse num domingo de sol." Além de fãs locais, outros foram de Rio e São Paulo, havia estrangeiros em férias, gente que nunca tinha ouvido falar dela, pescadores em barcos, o padre local, crianças brincando. "Coisas do cotidiano que numa casa de show não teria", diz a cantora.

O curioso é que choveu só no momento em que ela cantava "Ai, Ai, Ai" (em que canta e tomar um banho de chuva). "Estou brincando com essa situação, mas é verdade: Deus participou desse DVD. Teve gente que veio perguntar pra mim onde estavam as mangueiras, mas não era efeito. Caiu um toró só naquela música. Se continuasse a gente ia ter de parar."

O show faz um bom apanhado do material de seus três discos, com ênfase maior no mais recente, Sim, além de interpretações de canções alheias, como "Eu Sou Neguinha?" (Caetano Veloso) e "História de Uma Gata" (Luiz Enriquez/Sergio Bardotti/Chico Buarque). Da Jamaica ela foi buscar os bambas Sly Dunbar e Robbie Shakespeare, que já tinham gravado faixas de Sim com ela. No show do DVD os dois tocam e cantam nos reggaes "Vermelho" e "Ilegais/You Dont Love Me (No No No)", além de "Pirraça" e "Absurdo". Outras boas canções dos discos anteriores, como "Não Me Deixe Só" e "Viagem" ressurgem renovadas.

    Leia tudo sobre: vanessa da mata

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG