SÃO PAULO (Reuters) - O ministro da Saúde, José Gomes Temporão, anunciou nesta terça-feira a estratégia de vacinação contra a gripe H1N1, que começará em março e deverá imunizar 62 milhões de brasileiros. A campanha será realizada em quatro etapas, entre 8 de março e 7 de maio, antes do início do inverno no país. Serão 83 milhões de doses, que custaram 1 bilhão de reais. O excedente das vacinas será reservado para caso haja necessidade de ampliar o público-alvo da campanha.

No ano passado, o Brasil registrou 40 mil casos da doença e 1.705 óbitos, segundo o ministério.

"Por sua complexidade, esta campanha será o maior desafio já enfrentado pelo Programa Nacional de Imunização. Portanto, é fundamental a colaboração de todo o país para garantirmos o êxito em proteger, ao máximo, nossa população", afirmou Temporão.

A prioridade será imunizar trabalhadores da área da saúde, indígenas, gestantes, doentes crônicos e crianças de seis meses a dois anos.

As últimas duas fases, entre abril e maio, serão voltadas à população entre 20 e 29 anos e idosos com doenças crônicas.

"Estamos protegendo os grupos mais frágeis e aqueles que têm maior risco de adoecer e morrer", declarou.

Segundo a pasta, o objetivo da vacinação não é evitar a disseminação do vírus, mas manter os serviços de saúde e reduzir o número de casos graves e óbitos.

A gripe H1N1 já foi registrada em 209 países, segundo a Organização Mundial da Saúde, e causou a morte de cerca de 14.200 pessoas.

(Por Hugo Bachega)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.