decepcionante , diz estudo da ONU - Brasil - iG" /

Urbanização na América Latina é decepcionante , diz estudo da ONU

Um relatório preliminar sobre o estado das cidades da América Latina e do Caribe, divulgado nesta quinta-feira durante o Fórum Urbano Mundial, no Rio, mostra duas tendências dissonantes na região. De um lado, uma urbanização crescente que tem permitido aumento na qualidade de vida, maior acesso a infraestrutura, serviços e emprego, melhoria na expectativa de vida, maior igualdade de gênero e avanço na democracia. Do outro lado, concentração econômica em poucas e grandes cidades, alto nível de pobreza e desigualdade e cidades dotadas de valores agregados per capita em patamar menor do que outras regiões do planeta.

Rodrigo de Almeida, iG Rio de Janeiro |

A preocupação é maior na América Latina do que nas cidades caribenhas, diz o documento. A rápida urbanização aliada à tecnologia e aos meios de transporte deu às cidades latinoamericanas conformações e escalas nunca antes vistas na história da humanidade, e estas formas são replicadas em outras regiões da Ásia e da África, daí a importância de conhecer melhor os processos e consequências, explicou a coordenadora do estudo, Cecilia Martínez Leal, durante a apresentação nesta quinta-feira.

Latinoamericanos e caribenhos emergem como os mais urbanizados e mais desiguais do planeta. Quatro em cada cinco pessoas vivem em cidades na região, mas o estudo identifica grandes diferenças entre os países e também entre os espaços urbanos. O progresso tem sido muito mais rápido nas grandes cidades do que nos centros menores e nas áreas rurais, afirma o estudo.

As primeiras foram beneficiadas nos últimos anos por pesados investimentos em infraestrutura e serviços, muitos dos quais por meio de empréstimos do Banco Mundial e do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).

Daí resulta um grande predomínio econômico das cidades. São Paulo é citada como um exemplo dessa força. Conta com cerca de 10% da população e produz 33,7% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro ¿ uma relação de 3,2. Empata com Bogotá, na Colômbia, mas perde para a também colombiana Medellín (3,4), a equatoriana Guayaquil (3,5). A relação, no entanto, às vezes pode ser enganosa: Brasília chega a 4,7, mas produz apenas 6% do PIB para uma população que chega a 1,3% do total do País.

Outros países exibem cidades das quais são ainda mais dependentes. É o caso do Panamá, onde a capital Cidade do Panamá produz 82,8% do PIB; Chile, onde a capital Santiago gera 80,9% das riquezas do País.

Baixo valor agregado

As cidades da região apresentam ainda um outro dado preocupante para a ONU. Concentram atividades de baixo valor agregado e com baixo estoque de capital. A isso se soma uma concentração populacional com pouco capital humano (em outras palavras: muita gente pouco qualificada).

Resultado: se Nova York tem um PIB per capita de mais de US$ 60 mil e Tóquio, US$ 33 mil, cidades como Buenos Aires, Cidade do México e Santiago do Chile apresentam resultados bem mais modestos (US$ 18 mil, US$ 16 mil e US$ 15,9 mil, respectivamente).

O decepcionante sobre a urbanização na região é que a pobreza continua sendo muito comum, diz o relatório. Em outro trecho, os autores afirmam que a desigualdade na América Latina é preocupante. Segundo o documento, o país com menor desigualdade na América tem maior desigualdade que qualquer país da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE), incluindo qualquer país do Leste da Europa.

Essa desigualdade, afirma o estudo, leva a região a enormes dificuldades para o desenvolvimento humano e a democracia, além de reduzir o impacto que o crescimento econômico pode ter sobre a pobreza. Na apresentação, Jorge Torres, um dos autores, afirmou que boa parte da redução da pobreza nos últimos anos na região tem sido favorecida por aspectos macroeconômicos, e não estruturais. Nossa urbanização é excludente, ressaltou.

Com tamanha exclusão, o documento revela preocupação com o futuro da democracia na região. Os autores reconhecem o recente avanço na participação da mulher na força de trabalho das cidades, mas critica a legislação trabalhista que, na maioria dos países está muito regulada, não conta com mecanismos que garantem sua aplicação.

Outros estudos

O estado das cidades da América Latina e do Caribe é um estudo do escritório regional da ONU-Habitat, o Programa das Nações Unidas para Assentamentos Humanos. Completa um ciclo de estudos divulgados durante o Fórum Urbano Mundial, organizado pela entidade para discutir, entre outras coisas, o modelo de urbanização em curso.

O documento O estado das cidades do mundo 2010/2011: unindo o urbano dividido, divulgado na semana passada, informou, por exemplo, que o Brasil é o País com a maior distância social na América Latina . E incluiu cinco cidades brasileiras ¿ Goiânia (10ª), Fortaleza (13 ª), Brasília (16ª) e Curitiba (17ª) entre as 20 mais desiguais do mundo. O Rio de Janeiro, na 28ª posição, e São Paulo, na 39ª, também são cidades consideradas com alto índice de desigualdade, de acordo com o relatório da ONU.

Em outro estudo, a ONU radiografou a tendência de formação de cidades sem fim , megacidades que crescem e se conectam em eixos que a instituição chama de megarregiões ou corredores urbanos ¿ uma outra fonte de exclusão econômica e social .

Leia também:

Leia mais sobre: Fórum Urbano Mundial


    Leia tudo sobre: fórum urbano mundial

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG