Unesp conclui o primeiro câmpus na capital paulista

Surge a passos apressados uma universidade pública na Barra Funda, zona oeste de São Paulo. Funcionários correm entre os feriados de Natal e réveillon para aprontar o primeiro grande câmpus da Universidade Estadual Paulista (Unesp) na capital.

Agência Estado |

A inauguração, com a presença do governador José Serra (PSDB), está marcada para o dia 7. Mas na semana passada faltavam ainda móveis, revestimentos, acabamentos no que deve ser a melhor estrutura para o ensino de artes no País. O terreno tem 24 mil metros quadrados e os dois prédios construídos vão inicialmente abrigar 800 alunos dos cursos de graduação de música, artes e de pós-graduação em física. Eles serão transferidos em março de unidades da Unesp no Ipiranga e na Bela Vista.

O novo câmpus faz brilhar os olhos do (também novo) reitor, o engenheiro mecânico Herman Voorwald. Eleito neste fim de ano, ele toma posse no dia 14 e não descarta a possibilidade de oferecer todo tipo de curso na unidade. "Podemos ampliar para outras áreas e não há problema nenhum em repetir as que já existem em outras unidades. Nosso plano é consolidar a Unesp como a mais importante universidade multicampi do País." Como o jornal O Estado de S. Paulo adiantou, já há um projeto que cria na Barra Funda uma graduação em ciências exatas, em que o aluno pode escolher entre cursos como Física Ambiental, Física Financeira e Meteorologia.

A obra começou há dois anos e foram R$ 18 milhões em paredes, pisos e até tubulação com proteção acústica - essenciais para aulas de música, já que rodoviária e metrô estão do outro lado da rua. Dois teatros - um para espetáculos de música, com 300 lugares, e outro para artes cênicas - vão estar à disposição dos alunos e serão abertos ao público. O projeto da Unesp é construir ainda moradia estudantil para 54 alunos, creche e refeitório. Uma pequena tenda está instalada para aulas de circo e há espaço para novos prédios no terreno, diz o engenheiro responsável Brasilino de Rosa. A Unesp está contratando 400 novos professores para esse e outros câmpus.

História

A Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho foi criada em 1976 com base na junção de institutos isolados de ensino superior. Daí veio a característica de câmpus espalhados pelo Estado. Hoje, a universidade está em 23 cidades e tem 34 mil alunos de graduação em 120 cursos. Sua última expansão, em 2002, foi polêmica e teve até invasão violenta de alunos à reitoria. O projeto criava oito novas unidades e era criticado por utilizar professores viajantes e ter suas estruturas sob responsabilidade das prefeituras. Hoje já há docentes contratados.

Em 2001, o governo estadual aprovou e financiou um projeto de cinco anos para a expansão das três universidades estaduais - USP, Unesp e Unicamp - cujo orçamento representa 9,57% da arrecadação do ICMS. A Unesp ficou com R$ 30 milhões adicionais. A USP, entre outras coisas, criou o seu câmpus na zona leste de São Paulo. A Unicamp aumentou a oferta de vagas. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG