concreta - Brasil - iG" /

Unasul: Lula defende integração energética concreta

Um plano de ação com metas concretas e alcançáveis na integração energética da América Sul foi uma das propostas apresentadas pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva na abertura da reunião da União de Nações Sul-Americanas (Unasul), hoje em Brasília. Lula sugeriu também parcerias em setores estratégicos, citando indústria aeronáutica, construção naval, medicamentos e equipamentos militares.

Agência Estado |

O presidente disse ver nessas parcerias e setores "mecanismos abrangentes e estruturais para superar as assimetrias de nossos países".

"Queremos avançar rapidamente com projetos inovadores e de longo alcance em áreas prioritárias como integração financeira e energética, melhoria da infra estrutura regional e das conexões rodoviárias e ferroviárias, estabelecimento de uma vigorosa agenda de cooperação em políticas sociais, fortalecimento da cooperação educacional", enfatizou.

O presidente da República destacou a necessidade de trocas comerciais justas e equilibradas. "Precisamos fazer do comércio um instrumento de crescimento econômico e progresso social, em prol sobretudo dos mais pobres", declarou, defendendo a criação de cadeias produtivas entre as empresas estatais e privadas do continente.

Lula aproveitou a presença de 11 presidentes latino-americanos - o presidente do Uruguai, Tabaré Vázquez, foi representado pelo vice - para rebater as críticas de instituições e governos dos países ricos à produção de etanol. "Não nos deixemos iludir tampouco pelos argumentos daqueles que, por interesses protecionistas ou motivações geopolíticas, se sentem incomodados com o crescimento da nossa indústria e da nossa agricultura e com e a realização do nosso potencial energético", alertou.

Segundo o presidente brasileiro, o continente sul-americano atravessa um momento de excelente conjuntura econômica e social. "A América do Sul vive um momento de excepcional crescimento, com redução da pobreza e da desigualdade. Criamos as condições para um crescimento sustentável, que nos tem permitido enfrentar a atual instabilidade econômica mundial", proclamou. "Nossa região torna-se um interlocutor cada vez mais indispensável na medida em que o mundo se vê diante da necessidade de compatibilizar segurança alimentar, suprimento energético adequado e preservação do meio ambiente", sublinhou.

O presidente frisou que, "quando a escassez de alimentos ameaça a paz social em muitas partes do mundo, é em nossa região que muitos vêm buscar propostas", enfatizando que "uma América do Sul unida mexerá com o tabuleiro do poder no mundo". O presidente brasileiro, sem mencionar os conflitos entre Venezuela, Colômbia e Equador originados pela atuação das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), o presidente brasileiro disse que são passageiros e não devem se sobrepor ao processo de integração.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG