Uma hora a mais de aula por dia diminui o índice de distorção idade-série dos alunos no ensino fundamental - ou seja, a quantidade de estudantes que estão na série errada para suas idades. A conclusão é de um estudo feito com base no Censo Escolar do Ministério da Educação, ao longo do período de 1998 a 2005.

A redução do número de alunos por turma, por outro lado, não é um fator que faça diferença significativa, apesar de geralmente aparecer entre as principais demandas dos professores para um ensino de melhor qualidade.

"Verificamos que, no Brasil, por ser um País onde as escolas não têm infra-estrutura e os professores não têm formação, existe uma relação entre os insumos da educação - entendendo-os como infra-estrutura escolar - e o desempenho dos alunos, usando como parâmetro a repetência", explica Sergei Soares, um dos autores do estudo e pesquisador da Diretoria de Estudos Sociais do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

De acordo com o estudo, a cada hora a mais de aula, a tendência é que se reduza em 5 pontos percentuais o índice de alunos fora da série adequada para a idade. Por exemplo, se uma cidade como Rio Branco (Acre), cujo índice de distorção idade-série é de 68% (a média nacional está em 50%), aumentasse de 4 para 5 horas o turno do ensino fundamental, reduziria a distorção para 63%. Se aumentasse de 4 para 6 horas, o índice cairia para 58% e assim por diante. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.