Um novo modelo de farmácia no Brasil

Um novo modelo de farmácia no Brasil Por Hugo Guedes de Souza * As farmácias magistrais, que atuam no preparo de medicamentos e prestação de serviços farmacêuticos, estão construindo um novo modelo de farmácia no Brasil. O cuidado com o usuário do medicamento, o atendimento à prescrição médica individualizada e a obediência às rígidas regras sanitárias do país vêm transformando o perfil dos quase oito mil estabelecimentos.

Agência Estado |

Uma etapa importante deste trabalho acaba de ser concluída: a entrega de certificados de participação no primeiro ciclo do Sistema Nacional de Aperfeiçoamento e Monitoramento Magistral (SINAMM) feito pela associação do setor para 1,3 mil farmácias.

No Dia do Farmacêutico, em 20 de Janeiro, Associação Nacional de Farmacêuticos Magistrais (Anfarmag) - iniciou formalmente as transmissões da TV Farma, um canal corporativo via satélite para difusão de conhecimento em saúde e educação para uma audiência potencial formada por todas as farmácias, entidades do setor, médicos, escolas de ensino, organismos sanitários, fornecedores de insumos e laboratórios de todos os portes. E que vai tornar o SINAMM acessível a todas as farmácias do país, dando continuidade ao mapeamento do setor e direcionando ações corretivas na busca pela excelência na qualidade da farmácia magistral.


Dentre os segmentos que atendem a saúde da população, o setor das farmácias magistrais é um dos mais bem inspecionados pelo Sistema Nacional de Vigilância Sanitária Hoje, de acordo com levantamentos feitos pela Anfarmag junto aos seus associados, aproximadamente 100 mil médicos e dentistas prescrevem pelo menos uma vez por ano uma fórmula para ser manipulada numa farmácia magistral. As 7,8 mil farmácias registradas nos Conselhos Regionais de Farmácia atendem pelo menos 60 milhões de pessoas por ano.


Em meio de um necessário período de definição de marco regulatório, o setor farmacêutico magistral liderado pela Anfarmag empreendeu o SINAMM entre julho de 2006 e julho de 2008. O treinamento simultâneo em todo o país por meio de transmissões via satélite possibilitou o mapeamento do setor através dos dados apresentados que nortearão ações da entidade para constante melhoria da qualidade do medicamento magistral.

Neste período tivemos 18.000 farmacêuticos treinados, 25.000 colaboradores treinados; 870 farmácias auditadas; 15.000 matérias-primas analisadas; 16.000 produtos acabados analisados; 11 laboratórios de controle de qualidade auditados e qualificados; cinco empresas prestadoras de serviços em auditoria credenciadas; 32 fornecedores de insumos auditados.


Com este intenso trabalho que iniciou uma das mais profundas reavaliações de um segmento técnico e econômico, a Anfarmag formou um detalhado banco de dados para apresentar aos órgãos sanitários o estágio em que se encontra a segurança do setor magistral. A ANVISA recebeu o primeiro relatório com os resultados das análises de matérias-primas, um documento que comprova a qualidade dos produtos e informa que estão dentro das especificações dos Compêndios Oficiais. Fornecedores de insumos e Conselhos Regionais de Medicina receberam material impresso com os resultados que demonstram a qualidade da matéria-prima utilizada pelas farmácias. Este material foi disponibilizado às farmácias participantes com sugestão de distribuição aos médicos.


(*) Hugo Guedes de Souza é presidente da Associação Nacional de Farmacêuticos Magistrais.

*(**) O conteúdo dos artigos médicos é de responsabilidade exclusiva dos autores.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG