Um museu celebra o maravilhoso mundo de Walt Disney

A primeira coisa que os visitantes veem quando entram no novo Walt Disney Family Museum não é o camundongo Mickey ou o Pato Donald, ou mesmo a Branca de Neve, mas uma foto de Walt Disney com apenas 9 meses de idade.

AFP |

O museu, que abriu as portas esta semana depois de seis anos de preparação, também exibe raridades como o primeiro rascunho do desenho de Mickey Mouse e a maquete do tamanho de um quarto com o conceito original de Walt para a Disneylândia.

Ao contrário dos parques temáticos, o museu criado pela família Disney é dirigido para os adultos, as pessoas que cresceram com os personagens imaginadas pelo gênio criativo de Walt, filho de um fazendeiro rude e que sofria maus-tratos nas mãos do pai, mas que, dono de uma audácia inovadora, virou uma das maiores influências culturais do século XX.

"Não é um museu para crianças, é um museu para toda a família ", explica Richard Benefield, diretor da entidade. "Achamos que a maioria das pessoas que virão visitá-lo terá entre 45 e 65 anos".

Teri McCollum, que optou por usar as características orelhas de Mickey, só que douradas, na inauguração exclusiva para convidados é exatamente o tipo de visitante que Benefield espera.

McCollum, de 52 anos, conta que a visita ao museu lhe trouxe recordações sobre uma infância difícil e que o esboço original a lápis do rato Mickey, feito em 1928, fez seus olhos se encherem de lágrimas.

"É simplemente parte de nossa infância", indicou. "Eu diria que Walt Disney salvou minha vida. Eu fugi para dentro de Disney, escapei para dentro de seus filmes. Ele me ajudou a sobreviver".

O museu, construído num antigo barracão militar na baía de San Francisco, tem de tudo para todos os gostos, apesar de talvez ser um pouco sofisticado demais para crianças pequenas, acostumados ao clima festivo dos parques da Disney.

Mas lá se pode encontrar rascunhos originais, milhares de objetos, centenas de fragmentos de áudio de Disney explicando seu ofício.

Há os prêmios dados pela Academia, gravuras realizadas pelo espanhol Salvador Dalí e uma réplica da ambulância da Cruz Vermelha que Disney dirigiu na França durante a I Guerra Mundial. E há incontáveis fotografias e filmes de Disney junto a sua família e amigos.

Apresentações interativas que permitem aos visitantes participar do processo criativo - como sincronizar música com animação - provavelmente atrairão os visitantes mais jovens.

"Walt é o meu herói, é alguém que tinha um sonho e o tornou realidade. O museu é surpreendente, mostra a ele e a seu sonho ", afirma Amber Wagner, de 23 anos, estudante de ciência forense que também usa muito à vontade as orelhas da ratinha Minnie, apesar dos vários piercings no rosto. Ela também exibe uma tatuagem do logo da Disneylândia nas costas.

A família Disney escolheu San Francisco para o local do museu depois de avaliar Los Angeles, Kansas e a cidade em que Disney nasceu, Chicago.

Depois da morte de Disney, em 1966, por causa de um câncer, sua família se mudou para a a área de San Francisco e armazenou milhares de seus objetos pessoais em um depósito da cidade. San Francisco se converteu, além disso, num centro mundial da animação, com pesos pesados como os estúdios da Pixar, da DreamWorks e da Lucasfilm instalados na região.

Apesar do museu - que custou 110 milhões de dólares - ser um hino de amor a Disney, não esconde seus defeitos, como os problemas que teve com os sindicatos e outras curiosidade, como uma lista que ele fez de seus pratos favoritos escrita cheia de erros ortográficos.

str/cn

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG