País alcança meta do milênio para oferta de água encanada http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2008/10/21/pais_nao_consegue_deter_aumento_das_favelas_aponta_ipea_2059710.html target=_blankPaís não consegue deter aumento das favelas, aponta Ipea" / País alcança meta do milênio para oferta de água encanada http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2008/10/21/pais_nao_consegue_deter_aumento_das_favelas_aponta_ipea_2059710.html target=_blankPaís não consegue deter aumento das favelas, aponta Ipea" /

Um em cada três brasileiros não tem condições dignas de moradia nas cidades

BRASÍLIA - Em todo o Brasil, 54 milhões de pessoas, o equivalente a 34,5% da população urbana, ainda vivem em condições de moradia inadequadas. Os dados fazem parte de estudo feito com base na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) 2007, divulgado nesta terça-feira pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). A pesquisa ainda mostrou um salto no número de pessoas morando em favelas. Eram 4,9 milhões em 1992 e sete milhões em 2007. http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2008/10/21/pais_alcanca_meta_do_milenio_para_oferta_de_agua_encanada_2058807.html target=_topPaís alcança meta do milênio para oferta de água encanada http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2008/10/21/pais_nao_consegue_deter_aumento_das_favelas_aponta_ipea_2059710.html target=_blankPaís não consegue deter aumento das favelas, aponta Ipea

Severino Motta - Último Segundo/Santafé Idéias |

Acordo Ortográfico

Apesar do número alarmante, quando um em cada três brasileiros se encontra em situação habitacional precária, a pesquisadora do Ipea, Maria Piedad Morais, disse que inclusão populacional em serviços de água e esgoto vem sendo paulatinamente ampliada no Brasil, mas sem romper a barreira das desigualdades econômicas, regionais e de raça.

Entre os 20% mais pobres urbanos, o nível de cobertura de água canalizada por rede geral é de pouco mais de 83%, enquanto os 20% mais ricos têm índices de 96% de cobertura. Para os 20% mais pobres, a cobertura de rede geral de esgoto ou fossa séptica é de 64,6%. Já para os 20% mais ricos, a cobertura ronda os 92,8%. Em todos os casos, a região Sudeste apresenta os melhores índices.

AE/Wilton Júnior
Favela Vigário Geral no Rio
Favela Vigário Geral no Rio de Janeiro
A população negra e parda representa 66,3% dos 408 mil moradores em cortiços, 52% dos 270 mil cidadãos sem teto e 65,6% dos sete milhões de residentes em  favelas. Não o bastante, a pesquisa revela que dos 7,3 milhões de moradores com irregularidade fundiária (sem escritura ou em situação de invasão) 52,7% são negros ou pardos. Eles também representam 65,8% dos 12,3 milhões que moram em residências adensadas ¿ com três ou mais pessoas por cômodo.

Favelas

De acordo com a pesquisa, o aumento no número de pessoas que mora em favelas se deu principalmente nas regiões metropolitanas (RM's) de São Paulo e do Rio de Janeiro, que abrigam quatro dos sete milhões de habitantes nessa condição.

Para ela, o preço do aluguel é um dos principais responsáveis por esse movimento. Basta ver que em 2007, 5,4 milhões comprometem mais de 30% de sua renda com aluguel. A região sudeste abriga 3,1 milhões de pessoas que pertencem a esse universo.

As regiões metropolitanas também são as grandes responsáveis pelo adensamento nas casas. De acordo com os dados da PNAD, 12,3 milhões, ou 7,8% da população urbana vive em domicílios superlotados. O maior índice está na RM de Belém (PA), com 16,6% de sua população nessa situação. Na sequência está a RM de São Paulo, com 11,7% e do Rio de Janeiro, com 10,6%.

Pesquisas anteriores:

Leia mais sobre Ipea

    Leia tudo sobre: ipea

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG