Último presidente da Alemanha Oriental lembra prisão em livro

Berlim, 13 nov (EFE).- O último chefe de Estado e do Partido Comunista da extinta República Democrática da Alemanha (RDA), Egon Krenz, publicará um diário com as lembranças dos quatro anos que passou na prisão como co-responsável pelas mortes no Muro de Berlim.

EFE |

A editora alemã Edition Ost anunciou hoje que lançará o livro no primeiro semestre de 2009, seis meses antes do 20º aniversário da queda do Muro de Berlim, em 9 de novembro de 1989.

Krenz, de 71 anos, conta no livro histórias de seus contatos com outros presos e antigos correligionários também condenados.

O ex-presidente conta que teve a ocasião de refletir na prisão, mas segundo seu editor, suas idéias políticas são as mesmas.

O ex-líder da antiga Alemanha Oriental foi preso em 13 de janeiro de 2000, depois que o Tribunal Constitucional Federal da Alemanha rejeitou o recurso apresentado contra a sentença condenatória ditada em 1997.

O ex-chefe de Estado da Alemanha Oriental foi julgado como responsável pela morte, no Muro de Berlim, de cidadãos da Alemanha Oriental que tentavam fugir para o outro lado.

Krenz esgotou todos os recursos legais antes de ser preso e nunca aceitou a sentença, já que se considera vítima de uma justiça de "vencedores sobre vencidos".

O político assumiu o poder na RDA em outubro de 1989, semanas antes da queda do Muro de Berlim, e permaneceu no cargo até dezembro daquele ano. EFE gc/wr/jp

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG