A Comissão Europeia (CE) informou hoje que não tem nenhuma competência para intervir na questão bilateral entre o Brasil e a Itália, desencadeada pela decisão do ministro da Justiça do Brasil, Tarso Genro, de conceder asilo político ao ex-terrorista italiano Cesare Battisti. A declaração partiu do porta-voz do comissário da União Europeia para a Justiça, Jacques Barrot, em resposta a uma carta enviada pelo ministro italiano para os Assuntos Europeus, Andrea Ronchi, que pediu à CE que tomasse uma posição sobre o caso.

Na carta, Ronchi lembrou que a Itália foi um dos seis países fundadores da antiga Comunidade Europeia e pediu o apoio do bloco na questão.

"Nós recebemos a carta, que também foi publicada na imprensa italiana", explicou o porta-voz de Barrot, Michele Cercone, destacando que não existe nenhum acordo bilateral entre a UE e o Brasil sobre o incidente e a questão é um problema entre o Brasil e a Itália, portanto governada pelo tratado entre os dois países firmado em 1989. "Esta é a base legal e não existe nenhuma competência da UE no caso", disse o porta-voz.

Enquanto isso, o ministro das Relações Exteriores da Itália, Franco Frattini, disse que o governo italiano acredita que existe chance de o Supremo Tribunal Federal (STF) decidir a favor da extradição de Battisti. Frattini lembrou que o STF se reunirá em 2 de fevereiro para dar um juízo sobre a questão. "Nós estaremos prontos com todos os instrumentos jurídicos previstos pela lei brasileira e estamos convencidos de que, sobre a base jurídica do Brasil, vamos obter uma reversão da decisão tomada pelo ministro da Justiça do Brasil", disse Frattini. As informações são da Agência Ansa.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.