O governador de Rondônia, Ivo Cassol (sem partido), conseguiu se livrar do risco de ser cassado. Por maioria de votos, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) rejeitou hoje à noite um pedido para que o governador fosse punido por suposta compra de votos na eleição de 2006.

O TSE não aceitou o recurso do Ministério Público Eleitoral, que defendia a cassação. Para o procurador-geral eleitoral, Roberto Gurgel, a compra de votos tinha ficado amplamente comprovada. A defesa alegou que o governador não se envolveu com compra de votos e que tinha alto índice de aprovação popular. "O que levaria um candidato com esse nível de aprovação a se arriscar cometendo esses atos?", indagou a defesa.

Além de suposta compra de votos de vigilantes de uma empresa ligada a um político, Cassol e seu vice, João Aparecido Cahulla, eram acusados pelo Ministério Público Eleitoral de abuso de poder econômico.

No julgamento, prevaleceu o voto do relator, Arnaldo Versiani, que disse não ter encontrado provas concretas de participação direta ou indireta de Cassol e seu vice no esquema de compra de votos.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.