O ministro Fernando Gonçalves, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), negou recurso que pretendia a decretação de inelegibilidade do ex-governador de Alagoas Luís Abílio de Souza Neto e de seu sucessor, Teotonio Vilela Filho (PSDB), por abuso de poder nas eleições de 2006. Luís Abílio Neto foi acusado de concentrar inaugurações de obras no período eleitoral para favorecer Vilela.

O TRE já julgara improcedente a ação, avaliando que as inaugurações “não tiveram suficiente potencialidade para macular a lisura do pleito”. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.