Trote leva Bope a montar operação em shopping de Brasília

Homens da tropa de elite da Polícia Militar (PM) de Brasília ocuparam nesta segunda-feira um dos maiores shoppings de Brasília. Armados de fuzis e vestidos com seus uniformes pretos, os policiais roubaram a cena num horário de grande movimento - era hora do almoço.

Agência Estado |

Curiosos se aglomeraram nas sacadas na tentativa de descobrir o que se passava. Apesar da vistosa operação, não era nada grave. Os policiais haviam sido mobilizados por causa de um suposto sequestro envolvendo o filho de um major do Exército. No fim, tudo não passava de um trote.

AE
Policiais Bope cercam o Brasília Shopping, no Distrito Federal
Quem recebeu o telefonema foi a mulher do militar, identificado como major Sabbá. Do outro lado da linha, o suposto sequestrador disse que estava com o filho do casal e pediu dinheiro para libertá-lo. A mulher chegou a sacar o valor e foi até uma agência do Banco do Brasil (BB) dentro do shopping para fazer o depósito na conta indicada pelo bandido.

Nesse momento, a polícia já estava mobilizada. Foi quando chegaram os homens do Batalhão de Operações Especiais (Bope). Segundo a corporação, enquanto a mulher se preparava para fazer o depósito, o filho dela estava em sala de aula, no Colégio Militar de Brasília, a poucos metros dali.

A operação motivou reclamações da segurança do shopping, de propriedade do vice-governador do Distrito Federal, Paulo Octavio (DEM). Funcionários chegaram a reclamar com os policiais que o alvoroço prejudicava a imagem do estabelecimento. Depois de mais de uma hora de tumulto, a mulher deixou o shopping acompanhada do marido, num carro com motorista do Exército. "Ainda bem que tudo não passou de um susto", disse o tenente Petercley Franco, que comandou a equipe. Segundo ele, a ação mobilizou 50 homens e 15 viaturas.

Em Brasília, até parlamentares já caíram no chamado golpe do falso sequestro. Em muitos casos, as ligações partem de dentro de presídios. A orientação da polícia para pessoas que passam por situações semelhantes é para manterem a calma e não atenderem de imediato aos pedidos dos falsos sequestradores. Antes de tudo, o indicado é tentar falar com o suposto sequestrado. Muitas vezes essa medida já é suficiente para se ter a certeza que tudo não passa de trote.

Leia mais sobre: sequestro

    Leia tudo sobre: seqüestro

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG