O Tribunal Regional Eleitoral do Rio (TRE-RJ) aumentou para 24 o número de localidades onde as Forças Armadas empregarão tropas para reprimir irregularidades na campanha eleitoral. Segundo o juiz Luiz Márcio Alves Pereira, coordenador da fiscalização da propaganda eleitoral no Estado do Rio, a abrangência das operações, que devem começar ainda esta semana, foi ampliada com base nas denúncias de coação eleitoral, além da observação dos fiscais do TRE.

Inicialmente, eram 17 os locais listados.

"Os locais foram definidos em função da manifestação de juízes locais e de denúncias de candidatos e cidadãos. Foram escolhidos os lugares com o maior número de queixas e não os de maior periculosidade do ponto de vista da segurança pública. Há locais com forte presença de traficantes e milicianos onde não há notícia de impedimento da atividade eleitoral", explicou o magistrado.

Pereira será a ligação entre o TRE e o Exército. A Justiça Eleitoral vai definir as demandas e caberá aos militares a estratégia de execução. Hoje, o juiz afirmou que o número de áreas que poderão receber tropas federais poderá chegar a 30, mas esse número depende de negociação com o Exército. Os alvos da operação não ficarão restritos à capital. Haverá tropas em outros municípios fluminenses, principalmente da Região Metropolitana. Cerca de 10 mil militares devem ser empregados na missão eleitoral.

Para Pereira, a presença deles em determinadas áreas resgatará a normalidade do processo eleitoral e permitirá à população reconhecer o Estado. "Em muitas áreas, por causa da ação de milícias, a população confunde os criminosos com agentes do Estado. Muitas vezes são, mas ali desenvolvem uma atividade criminosa, assim como o tráfico. É uma questão muito grave, que ameaça o estado democrático de direito", disse o juiz.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.