BELO HORIZONTE - O Tribunal de Justiça de Minas manteve a condenação do jogador de futebol Emerson Figueira Camargo de indenizar em R$ 8 mil um funcionário do Estádio Governador Magalhães Pinto, o Mineirão. O esportista recorreu da sentença que o condenava pela agressão física e por ofensas contra o porteiro Waldir João Inácio de Miranda.

No dia 13 de julho de 2004, Waldir, que controlava a entrada e saída de pessoas no lugar reservado aos jogadores, teria impedido o acesso da esposa do atleta porque ela vinha acompanhada de um homem que não portava as credenciais necessárias para permanecer na área restrita.

Segundo depoimento do porteiro, a mulher disse que a pessoa que estava com ela era o segurança do jogador de futebol e dela, mas mesmo assim o porteiro não permitiu a entrada do segurança no estádio e ambos foram embora sem criar transtorno.

De acordo com o TJ, ao fim da partida, por volta das 23 horas, Emerson procurou o porteiro e gritando, o ameaçou e o insultou diante de várias pessoas. O atleta, que teria dado socos e pontapés na vítima, foi contido pela equipe de administração do estádio.

Leia mais sobre: violência

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.