Três quadrilhas atuavam na rede de tráfico em Cumbica; câmeras flagram remessa

A Polícia Federal (PF) encerrou na terça-feira uma operação que desbaratou três quadrilhas de tráfico internacional de drogas que atuavam no Aeroporto Internacional de Cumbica, em Guarulhos, há pelo menos dois anos.

Agência Estado |

As quadrilhas pagavam propina a servidores da Receita Federal e da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), além de cooptar funcionários de companhias aéreas e vigilantes responsáveis pela segurança do aeroporto para que facilitassem o envio de malas cheias de cocaína a países da África e da Europa.

Só no primeiro semestre de 2007, antes das investigações, a PF estima que 1,3 tonelada de cocaína tenha chegado a receptores de Inglaterra, Holanda, Portugal e África do Sul. A quadrilha pagava R$ 2,5 mil ao funcionário cooptado, segundo a PF.

Na operação - iniciada em julho de 2007, 58 pessoas foram presas, incluindo uma auditora da Receita Federal responsável pela fiscalização do setor de cargas, um funcionário da Infraero que vigia a pista, quatro policiais civis e uma policial militar. Também foram presos 37 funcionários de companhias aéreas.

Todos os integrantes da quadrilha atuavam em São Paulo, Guarulhos, Campo Grande (MS) e Ponta Porã (MS). Os mandantes da quadrilha eram traficantes nigerianos que moravam em São Paulo. Para que não houvesse influência no processo judicial, a PF não informou a identidade dos presos.

A Infraero determinou uma sindicância para avaliar a participação dos empregados em atividades que comprometam os procedimentos normativos da empresa. A Corregedoria da Polícia Civil solicitou à PF informações para averiguar o envolvimento dos policiais.


Câmeras flagram remessa de drogas em SP

Leia mais sobre operação da PF

    Leia tudo sobre: operação da pf

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG