Três irmãos são soterrados em novo deslizamento no AM

Segundo o Corpo de Bombeiros, as crianças estavam em um pequeno barco na orla de Manacapuru no momento da queda de um barranco

Márcio Apolinário, especial para o iG |

Três irmãos foram soterrados na manhã desta terça-feira em um novo deslizamento de terra no Estado do Amazonas. Desta vez a tragédia aconteceu na orla do município de Manacapuru, aproximadamente a 80 quilômetros de Manaus. De acordo com o comandante Dias, chefe do Corpo de Bombeiros da região, um helicóptero do Grupamento Aéreo da Polícia Militar (Graer), 15 homens e cinco mergulhadores saíram de Manaus para auxiliar as buscas pelos corpos de Anderson da Silva Leite, de 1 ano de idade, Silvana da Silva Leite, de 5 anos, e Beatriz da Silva Leite, de 10 anos.

Segundo o comandante, as crianças estavam em um pequeno barco atracado no barranco que desmoronou. A Corporação do município também está no local. O comandante informou que não há previsão para o término das buscas.

"A área atingida é muito grande, e é de difícil acesso para realizar as buscas. Os mergulhadores estão trabalhando em águas escuras, com profundidade de até 20 metros, não será fácil."

Porto Chibatão

AE
Buscas por dois funcionários desaparecidos continuam nesta terça-feira
O comandante do Corpo de Bombeiros também informou que a Corporação continua em estado de alerta em decorrência dos deslizamentos de terra ocorridos no domingo, no Porto Chibatão, em Manaus. A área devastada equivale a dez campos de futebol e cerca de 100 carretas e contêineres foram atingidos.

Segundo Dias, ainda não podem ser estimados os números de contêineres e carretas que caíram no Rio Negro. "Estamos trabalhando com muita cautela, e o trabalho de retirada dos contêineres e das carretas é uma das etapas mais complicadas. Ainda existe o risco de novos deslizamentos, então temos que trabalhar com muito cuidado na retirada dos equipamentos. Não conseguimos nem estimar quantos são."

O comandante acredita que a situação seja mais caótica no fundo do Rio Negro. "O cenário da área submersa com certeza é mais dantesco, não conseguimos chegar identificar como está, mas vendo a situação da superfício, e sabendo que caiu muitas máquinas e contêineres lá, posso afirmar que está pior debaixo d'água."

Até o momento, duas pessoas estão desaparecidas, mas estima-se que o número seja maior. De acordo com o coronel, apenas os familiares do operador de escavadeira hidráulica Sílvio Barbosa Silva, de 31 anos, e do operador de máquinas Pedro Paulo da Silva, de 63, informaram os desaparecimentos dos homens.

O Ministério Público Estadual, representado pela 45ª Promotoria de Justiça do Trabalho, requisitou da administração do porto imagens do circuito interno de TV, e os Bombeiros estão utilizando o vídeo para auxiliar na identificação de outras possíveis vítimas.

Segundo o promotor de Justiça Agnaldo Concy de Souza, responsável pelo caso, este foi o maior desastre acompanhado pelo magistrado. “Essa foi a maior tragédia dos últimos dez anos. Desde quando assumi a pasta de calamidades, este foi o maior caso de desabamento que já acompanhei.”

AE
Deslizamento arrastou diversas carretas e conteiners no Porto do Chibatão

    Leia tudo sobre: deslizamentocriançasporto chibatãoabalo sísmico

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG