Tremor na região Centro-Oeste é o segundo em uma semana

Segundo Observatório da UnB, tremor de hoje teve epicentro em Mara Rosa (GO) e alcançou raio de 500 quilômetros

Fred Raposo, Marcelo Sigwalt e Danilo Fariello |

Um tremor de magnitude 4,6 pontos na escala Richter atingiu a região Centro-Oeste do País nesta sexta-feira, às 17h17, segundo o Observatório de Sismologia da Universidade de Brasília (UnB). O epicentro foi em Mara Rosa, em Goiás. Segundo o Serviço Geológico dos Estados Unidos, o sismo teve profundidade de 14,8 quilômetros.

Este foi o segundo abalo nesta semana com epicentro na mesma cidade. Na segunda-feira, foi de 3,5 pontos. Segundo o diretor do Observatório de Sismologia da Universidade de Brasília (UnB) George Sand, o tremor de hoje teve réplicas sentidas em uma área de até 500 quilômetros de raio, mas com maior intensidade até 300 quilômetros. "Os tremores são sentidos com mais intensidade em prédios."

A cidade de Mara Rosa fica próxima à fronteira com o Tocantins e, por isso, o tremor foi sentido em Goiás, Tocantins e Distrito Federal. "A região de Mara Rosa tem falhas sismológicas e, portanto, tem uma atividade sísmica frequente. São percebidos diversos tremores desde 1995 porque a região está sobre uma falha sismológica da Placa Tectônica Sulamericana", explica Sand.

O tremor durou entre 20 e 30 segundos em volta do epicentro e, em Brasília, de 2 a 3 segundos. "Este foi o maior tremor já sentido no Distrito Federal. Se o epicentro fosse em Brasília, onde há uma concentração maior de prédios, o estrago seria muito grande.”

iG
Ranking de terremotos registrados no Brasil
Jovenita Francisca Marques, dona-de-casa de 44 anos que mora em Mara Rosa, diz que o terremoto não fez grandes estragos, apesar de ter provocado muito medo em sua família. “Nunca vimos nada assim na cidade, mas nesta semana foram muitas tremidas fortes.”

Segundo Jovenita, a parede da casa de sua vizinha rachou com o tremor e, no supermercado, produtos foram perdidos porque caíram das gôndolas e quebraram. “Ninguém aqui diz nada para nós, ninguém sabe falar o que é isso”, diz a dona-de-casa.

You need to upgrade your Flash Player

Ligações para Defesa Civil

A Defesa Civil em Brasília registrou mais de 200 ligações após o tremor. Na primeira hora depois do abalo, não hove registros de vítimas no Distrito Federal. Mas o professor Sand, da UnB, teme pela região de Mara Rosa, que, segundo ele, é mais suscetível.

Evacuação de prédios

Segundo o tenente Xavier, da Defesa Civil de Brasília, as ligações para o Corpo de Bombeiros foram feitas principalmente por pessoas que estavam em prédios. O tentente recomenda que só evacuem os edifícios se houver novo tremor.

No entanto, diversos prédios em Brasília foram evacuados, como o Ministério das Cidades e da Procuradoria Geral da República. A recomendação é que as pessoas, se houver novos tremores, usem as escadas de emergências ao invés de elevadores.

Fellipe Bryan, iG Brasília
Funcionários do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) deixaram o prédio após tremor

Os funcionários do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) receberam a recomendação de evacuar o prédio, após o tremor sentido em Brasília neste fim de tarde. A técnica judiciária Naiara Barbosa, de 25 anos, sentiu o tremor e uniu-se aos seus colegas de departamento numa sala vizinha à sua. Aglomerados, foram informados pela administração do prédio de que deveriam evacuar o local.

Também no TSE, Thiago Almeida foi impedido de entrar no prédio logo após o tremor. Ele trabalha no local e viu pessoas saindo correndo, quando voltou de uma reunião. Foi impedido de entrar no prédio.

    Leia tudo sobre: terremototremor em brasíliadefesa civilunb

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG