Tratamento pode reduzir em 30% as seqüelas do derrame

Conhecido popularmente como derrame, o termo AVC significa Acidente Vascular Cerebral e é a principal causa de morte no Brasil, sendo também o maior fator de incapacidade em todo o mundo. Apesar dos riscos de 3% a 6%, estudos revelaram que os pacientes que receberam o tratamento com trombolítico nas primeiras 3 horas do início dos sintomas de AVC tem um benefício em torno de 30% na redução de seqüelas e incapacidade, conta neurologista do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (SP), Octávio Marques Pontes Neto.

Agência Estado |

O tratamento com trombolíticos está disponível em alguns centros públicos e privados no País desde 2001, entretanto a grande maioria dos pacientes com AVC procura muito tarde o atendimento médico por desconhecimento da doença e dos seus sintomas iniciais, o que dificulta o reconhecimento e encaminhamento rápido para um hospital adequado. Além disso, o medicamento deve ser administrado dentro de critérios rigorosos de seleção de pacientes por causa dos riscos.

O coordenador da equipe de neurocirurgia e neurologia do Hospital São Luiz Anália Franco, em São Paulo, Sérgio Listik, explica que os derrames podem ser isquêmicos ou embólicos. Na maioria dos casos o AVC é causado pelo entupimento de uma artéria cerebral por um coágulo, o que impede que o sangue chegue adequadamente a regiões importantes do cérebro, causando sintomas neurológicos. Nesses casos de derrame isquêmico, as causas apontadas são hipertensão, colesterol alto ou diabete mal controlada.

"Os derrames embólicos ou hemorrágicos são mais graves, pois destroem grande quantidade de tecido cerebral", explica Listik. "Os êmbolos (ou coágulos) saem do coração e são levados para o cérebro pela circulação. Dependendo da região afetada ou onde houve o sangramento, ele pode causar paralisia de um lado do corpo, prejudicar a linguagem, o equilíbrio, a visão, levar ao coma ou até provocar morte", finaliza o especialista.

Sintomas

Segundo Félix Pahl, neurocirurgião do Hospital Sírio Libanês, na capital paulista, o AVC é constatado através de exame clínico e também por exames de imagens como tomografia e, se houver necessidade, ressonância magnética.

Os sintomas do AVC isquêmico geralmente apresentam perda repentina da força muscular, da visão e da memória; dificuldade de comunicação oral e tonturas; formigamento num dos lados do corpo. Os sinais de alerta para o AVC hemorrágico são dor de cabeça, náuseas e vômitos. Esse tipo de AVC apresenta ainda edema cerebral, aumento da pressão intracraniana e, também, alterações neurológicas.

Adriana Bifulco

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG