Transtorno mental afasta 10% dos agentes penitenciários em um ano

O número de funcionários do sistema prisional afastados por problemas mentais, desde 2003, chegou a 17.050.

Agência Estado |

O pico - 5.536 agentes afastados - foi registrado em 2006, quando a facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC) comandou rebeliões em série e aterrorizou a população de São Paulo com a onda de ataque. Os números são do Sindicato dos Funcionários do Sistema Prisional do Estado de São Paulo e, segundo a entidade, o governo não oferece tratamento à categoria.

O presidente do Sifuspesp, João Rinaldo Machado, 42 anos, disse que o Estado não tem programa de apoio aos funcionários. “Só passamos por avaliações médica e psicológica quando somos aprovados no concurso. Isso deveria ser feito anualmente. O Estado não encaminha os servidores com problemas para tratamento. Apenas demite.”

Em 2003 foram afastados por transtornos mentais 2.969 funcionários contra 2.533 em 2004; 3.896 em 2005 e 2.116 no ano passado. Até junho deste ano, 2.400 agentes, de um total de 23 mil, foram afastados do serviço por problemas de saúde. O levantamento dos afastamentos por transtornos mentais no mesmo período ainda não foi concluído.

Voluntário

Já o diretor de Saúde do sindicato, Luís da Silva Filho, 48 anos, afirmou que funcionários criaram um grupo de acolhimento e fazem trabalho voluntário, dando apoio aos servidores. “O grupo atende os funcionários com transtornos, problemas de alcoolismo, dependência química e até familiares”, explicou.

AE

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG