Tráfico impede Prefeitura de São Paulo de iluminar ruas, diz Ilume

SÃO PAULO - Traficantes de drogas têm impedido a restauração da iluminação pública em ruas da cidade de São Paulo. A fim de manterem as vias às escuras, bandidos proíbem a troca de lâmpadas e o conserto de transformadores, entre outros serviços, segundo o Departamento de Iluminação Pública (Ilume).

Agência Estado |

Para trabalhar, os funcionários do órgão têm recebido escolta da Polícia Militar ou da Guarda Civil Metropolitana. Quem ousa realizar a manutenção sozinho sofre ameaças e abandona a atividade.

Ocorrências do tipo foram registradas em pelo menos sete ruas da capital, a maioria nas zonas leste e norte. O caso mais recente de represália aconteceu na Rua Padre Francisco de Moura Roli, em Artur Alvim, na zona leste. A via ficou sem iluminação por dois meses, depois de todas as lâmpadas queimarem. O serviço de troca dos equipamentos foi realizado no dia 3, quando técnicos do Ilume trabalharam escoltados por PMs. Antes disso, os moradores da rua só tinham a lamentar pela demora do serviço. Para eles, o medo do tráfico é uma desculpa.

O sistema de iluminação pública da cidade é o maior do mundo, segundo a Prefeitura. São 560 mil pontos de luz, distribuídos por 17 mil quilômetros de rede - o equivalente ao trajeto entre o Brasil e o Japão. Cerca de 300 lâmpadas da iluminação pública queimam diariamente por causa do término de sua vida útil, ação do tempo ou vandalismo. Só em abril, de acordo com o Ilume, foram registrados 800 pedidos de reparos por dia. As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".

Leia mais sobre: segurança

    Leia tudo sobre: segurança

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG