RIO (Reuters) Ao menos 13 pessoas ficaram feridas, sendo 5 em estado grave, em um ataque de traficantes a um microônibus na favela Cidade de Deus, na zona oeste do Rio de Janeiro, na noite de terça-feira. Segundo testemunhas, um mulher grávida fez sinal para que o coletivo parasse em um ponto de ônibus. Em seguida, traficantes começaram a apedrejar o coletivo e lançaram um coquetel molotov no interior do ônibus.

As chamas se espalharam rapidamente, e os passageiros em pânico tiveram dificuldade para deixar o veículo.

"Consegui sair rapidamente e voltei para ajudar alguns passageiros, peguei um casaco e enfrentei o fogo", afirmou o motorista Edson Cerqueira.

Desde o ano passado, a comunidade é ocupada por uma Unidade de Polícia Pacificadora (UPP). A resistência à unidade na Cidade de Deus e prisão de um traficante da área seriam os motivos do ataque ao ônibus, segundo a polícia.

Para a polícia, o ataque ao microônibus foi uma represália à prisão de Leonardo de Oliveira Silva , de 19 anos. Ele foi detido na comunidade com grande quantidade de drogas.

"É um tipo de terrorismo, uma ação repudiável e covarde e a Polícia Militar não vai sossegar enquanto não perder os marginais", disse a jornalistas o relações públicas da Polícia Militar, tenente-coronel Lima Castro.

A polícia reforçou o patrulhamento nesta quarta-feira na comunidade com carros blindados do Batalhão de Operações Especiais (Bope). O clima é considerado tenso na região.

"Vamos procurar essa gente e não vamos sossegar enquanto não prendermos os responsáveis por essa ação terrorista", disse o tenente coronel responsável pela UPP da Cidade de Deus, Sidinei Pazini.

(Por Rodrigo Viga Gaier)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.