Tortura faz vítima criar memórias e acreditar nelas, diz pesquisa

Além de moralmente inaceitável, a tortura é um método pouco eficiente, pois faz com que as vítimas criem falsas memórias. De acordo com um artigo publicado na revista Trends in Cognitive Science, as técnicas coercitivas de interrogação podem levar a vários danos, até mesmo à perda de tecido cerebral.

Agência Estado |

O estudo do professor irlandês Shame O’Mara, do Instituto de Neurociências da Faculdade Trinity, em Dublin, analisou do ponto de vista neurobiológico as técnicas usadas pela CIA para interrogar suspeitos de atos terroristas durante a administração do ex-presidente norte-americano George W. Bush.

Em abril deste ano, o Departamento de Justiça dos Estados Unidos divulgou memorandos contendo detalhes sobre o uso das chamadas “técnicas de interrogação aperfeiçoadas” para extrair informações, apesar das fortes objeções éticas.

Segundo a pesquisa, os métodos causariam ansiedade e estresse prolongados no prisioneiro, reduzindo sua habilidade de lembrar fatos e dar informações detalhadas sobre eles. Isso poderia fazer com que o interrogado criasse falsas memórias - e até mesmo acreditasse nelas - para se livrar da tortura.

Para o autor do artigo, as severas técnicas de investigação levadas a cabo no governo Bush parecem ter sido baseadas numa “psicologia popular que já se demonstrou incorreta”. O trabalho afirma que “sólidas evidências científicas” corroboram a tese do efeito perverso da dor e do estresse nos processos neuronais relacionados à memória e às funções executivas.

Gorete de Jesus, pesquisadora do Departamento de Sociologia da Universidade de São Paulo (USP), aponta que pesquisas como essa são importantes para alertar a sociedade sobre as graves consequências psíquicas da tortura. “A tortura é um processo de desintegração do indivíduo, de exposição da sua fragilidade”, conta.

A socióloga ressalta que a tortura continua sendo praticada ao redor do mundo. “A aprovação, no Congresso dos Estados Unidos, das chamadas práticas light de tortura na base de Guantánamo são um verdadeiro retrocesso. Não podemos esquecer que a tortura procura por culpados - e nunca pela verdade.” As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

AE-AP

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG