Publicidade
Publicidade - Super banner
Brasil
enhanced by Google
 

Todas as Lipos

Todas as Lipos Por Vitório Maddarena Júnior (*) São Paulo, 17 (AE) - A lipoaspiração surgiu na França em 1977, mas foi no Brasil que ocorreram os maiores avanços na área. Aqui os conceitos técnicos da cirurgia foram redefinidos e os limites de segurança, estabelecidos de tal forma que, hoje, há um tipo de lipo ideal para cada paciente.

Agência Estado |

Uma das novidades foi o surgimento de novos designs de cânulas que, juntamente com a lipoenxertia ou colocação de gordura, possibilitaram o desenvolvimento da lipoescultura, técnica obtida principalmente pela maneira como a gordura é retirada. Assim como um escultor retira os excessos para dar formas, a lipoescultura molda o tecido gorduroso em cada região.

Algumas sofisticações da técnica também contribuíram: a lipo tumescente ou hidrolipoaspiração é obtida injetando-se um volume grande de soro, associado a outras substâncias (Solução de Klein), na região a ser tratada. Já o ultra-som associou-se à lipo por meio de cânulas especiais que emitem ondas enquanto é feita a aspiração (a técnica ainda não está totalmente desenvolvida) e aplicado na área a ser aspirada antes da lipo, para facilitar a saída da gordura.

Juntando-se um pouco de cada uma dessas técnicas chegou-se à Hidrolipoclasia Aspirativa (HLCA) ou Lipo Light. Nela, o médico injeta um grande volume de solução de Klein modificada - daí o nome hidro, seguida de ultra-som, para então iniciar a retirada das células de gordura (lipoclasia) por meio de lipoaspiração (aspirativa).

Como ela é feita em pequenas regiões por vez, são necessárias várias sessões semanais, de aproximadamente 40 minutos. O resultado de cada área tratada pode ser avaliado imediatamente, pois é possível ficar em pé e fazer as considerações juntamente com o médico. A técnica é ideal para quem tem pouca gordura a remover e prefere um procedimento ambulatorial.

Para retiradas maiores e áreas mais extensas o ideal é a vibrolipoaspiração, com uso de cânulas especiais que vibram internamente. A alternativa possibilita trabalhar com cânulas mais delicadas, dando um acabamento mais aprimorado. A lesão celular também é menor, o que permite a recuperação rápida e confortável.

Independentemente da técnica, qualquer procedimento só pode ser feito por um cirurgião plástico, especializado e com formação adequada. Vale lembrar que a lipoaspiração é uma cirurgia como outra qualquer e requer cuidados específicos, que só o médico saberá dizer. Além disso, só cirurgião plástico saberá indicar qual é o melhor tipo de cirurgia para seu paciente.

(*) Dr. Vitório Maddarena Júnior é cirurgião plástico e médico do Hospital e Maternidade São Luiz, em São Paulo.

Leia tudo sobre: iG

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG