Timidez: o que fazer para contorná-la

Timidez: o que fazer para contorná-la Por Lola Felix São Paulo, 10 (AE) - O que vão pensar de mim? O que vão pensar do meu cabelo, da maneira como eu ando e falo? O tímido vai a um julgamento toda vez que se expõe a situações novas. Mas não são só eles que se incomodam com o julgamento alheio.

Agência Estado |

Segundo Bernardo Carducci, especialista norte-americano em timidez da Universidade de Indiana, 75% das pessoas apresentam comportamentos tímidos na presença de estranhos. Mas, para os introspectivos crônicos, estes comportamentos são freqüentes, intensos e emperram a vida.

Em seu recém lançado livro "A timidez não é um problema" (Editora Paulus, R$ 14), o escritor norte-americano J.S. Jackson acredita que é possível considerar a introversão como um presente especial que pode nutrir a alma criativa. Daí vem aquela noção de que tímidos são criaturas mais sensíveis. "Muitos de nossos melhores escritores, artistas, cientistas e compositores são pessoas tímidas que desenvolveram capacidades para ter sucesso na maior parte das situações", diz Jackson.

Mas o que é a timidez? Onde ela nasce? Especialistas se dividem quanto ao seu diagnóstico. "A timidez é uma doença cosmopolita", diz o psiquiatra Nei Nadvorny, especialista pela Associação Brasileira de Psiquiatria e coordenador do site Laboratório da Timidez (www.laboratoriodatimidez.com.br). "Ela está no código internacional de doenças como fobia social. No entanto, tem graus mais altos e mais baixos de gravidade", conclui.

Segundo Nadvorny, existem introvertidos que se atrapalham na hora de falar com o sexo oposto, aqueles que ficam vermelhos para falar em público, os que não gostam de escrever na frente de outras pessoas. E, se a introspecção engloba cada vez mais sintomas, mais tímida a pessoa é. Ou se torna.

Muitos introvertidos garantem: ela não atrapalha em nada suas vidas. "Às vezes fico com vergonha do meu corte de cabelo, do jeito como brinco. Mas consigo conversar com a minha professora, então acho que a minha timidez não me atrapalha", diz o estudante Rafael Amaral, de 11 anos.

O analista financeiro José Carlos de Meo, 45 anos, aprendeu a se aceitar como é. "Quando era mais jovem me incomodava com a introspecção, mas aprendi a criar artifícios para controlá-la, como sorrir quando me sinto tímido", diz ele.

Mariana Pupo, psicóloga da Unifesp, acredita que timidez e fobia social não são, necessariamente, a mesma coisa. "Timidez é mais um jeito de funcionar, um estilo de personalidade", diz. A opinião é partilhada pela psicóloga Lucélia Paiva, doutoranda em psicologia pelo Instituto de Psicologia da USP. "Ela é mais uma forma do indivíduo ser."
Felipe Nakano Cruz, de 4 anos de idade, é considerado um menino tímido pela mãe, a designer gráfica Josie Nakano, de 29 anos. "Ele já dançou na festa junina com o chapéu cobrindo o rostinho dele", diz Josie. No entanto, sua introspecção melhorou muito depois que ele entrou numa escolinha.

Na escola, os professores devem estar atentos às crianças introspectivas e ajudá-las a se sentirem confortáveis e confiantes. "Para muitas crianças extrovertidas, isto vem naturalmente, como se eles tivessem nascido tagarelas", diz Jackson. Mas, para uma criança introvertida, sentir-se confortável pode ser algo muito difícil de se conquistar.

"Aqui na escola, tentamos trazer as crianças para as atividades de um modo discreto", diz a psicóloga Sueli Conte, do Colégio Renovação, em São Paulo. No teatro, os pequenos trabalham nos bastidores. Pouco a pouco, eles vão se soltando com os coleguinhas mais extrovertidos.

No final, especialistas concordam que, para driblar as armadilhas da timidez, o ideal é não apressar a criança, deixá-la ser quem ela é. Se a introspecção um dia incomodá-la, ela mesma irá buscar ajuda, com um adulto. Segundo Nadvorny, buscamos ajuda quando temos uma dor que não suportamos.

Bernardo Carducci, especialistas da Universidade de Indiana, nos Estados Unidos, acredita que é preciso tentar entender os tímidos, em vez de tentar mudá-los.

"Não há nada de errado em ser um indivíduo tímido. O problema com a introspecção é não entendê-la e deixá-la te controlar, em vez de você controlá-la", aconselha Carducci.

Boxe 1:
SINTOMAS: TIMIDEZ E FOBIA SOCIAL
- Taquicardia/Palpitações;
- Sudorese (suor excessivo);
- Tremor;
- Dor de Cabeça;
- Dispnéia (falta de ar);
- Sensação de desmaio;
- Urgência urinária;
- Rubor (vermelhidão facial);
- Sensação de afundamento no estômago;
- Diarréia;
- Náusea;
- Medo de crítica em uma ou mais situações sociais ou desempenho;
- Situações evitadas ou toleradas com ansiedade e sofrimento;
- Exposição a situações sociais temidas quase sempre provocam ansiedade;
- Medo reconhecido como excessivo ou irracional;
- Sofrimento interfere com o funcionamento ou há sofrimento acerca de ter fobia;
- Medo e esquiva de ser foco de atenção ou medo de ser humilhado ou embaraçado em situações sociais e esquivas de
tais situações;
- Sintomas restritos e/ou predominantes em situações sociais temidas;

Boxe2:
DRIBLANDO A TIMIDEZ: UM PASSO DE CADA VEZ
Seja paciente com você mesmo - ao tentar se mover para círculos de confiança maiores (de casa para o bairro, do bairro para a escola) talvez não se sinta tão confortável. No entanto, diz J. S. Jackson, autor de "A Timidez não é um Problema", você pode aprender a se sentir bem onde quer que você esteja.

"Toda vez que você se sentir envergonhado, perceberá que sorrir funciona muito bem", diz J. S. Jackson. Pratique sorrisos, oi e tudo bem. Tente olhar nos olhos. Ou melhor, olhe para a testa da pessoa, que ela não irá perceber.

Respire bem fundo e espire bem de leve. Isto acalma. Faça antes de enfrentar qualquer situação "assustadora".

"É importante que o adulto entenda e acolha a criança", diz a psicóloga Lucélia Paiva. Diga à criança que ela é especial, única e que, se alguém tira sarro dela, algo está errado com a outra pessoa e não com ela.

Busque ambientes mais acolhedores, onde se sinta mais seguro. Pode ser na natação, no parque do prédio ou na escola.

Os professores têm de estar atentos aos alunos tímidos e não expô-los a situações constrangedoras. Por outro lado, devem criar situações onde a criança vá se colocando e se sinta mais segura.

Boxe 3: DESCUBRA SE VC É TÍMIDO OU NÃO
1. Você, de uma maneira geral, costuma evitar ir a lugares onde se sentirá notado?
2. Você tem dificuldade em encarar as pessoas de frente?
3. Quando está com outras pessoas sente-se inferior a elas?
4. Sente dificuldade quando necessita pedir algo para si mesmo à alguém?
5. Você costuma sentir sensações físicas como suor, tremores, vermelhidão facial, palpitação, falta de ar e outros sintomas em uma situação social com uma ou mais pessoas?
6. Você tem poucos amigos?
7. Você tem dificuldade de se expor ou falar em público?
8. No seu emprego ou colégio já deixou de conquistar algo melhor para si mesmo por não conseguir expressar o que gostaria de dizer?
9. Você tem dificuldades para falar de seus problemas mesmo com familiares ou amigos?
10. Você percebe que evita enfrentar certas situações inventando uma desculpa, mesmo tendo vontade de ir?

Resultado
Cada sim vale 10 pontos.

Até 20 pontos
Você tem algumas experiências compatíveis com a timidez, porém todos nós, em certas ocasiões, podemos nos sentir desconfortáveis. Faz parte do ser humano ser precavido em situações diferentes daquelas às quais está acostumado. É o instinto de proteção. Isto quer dizer que estamos nos acostumando ao ambiente e que na medida que o tempo for passando nos sentimos mais à vontade.

De 30 a 50 pontos
Você tem um número considerável de inibições que devem estar interferindo em alguns aspectos de sua vida social, familiar ou profissional. É possível afirmar que não há um razoável domínio de suas emoções, porém pode-se observar que em alguns aspectos você se sente inibido(a) frente a situações e isto dá uma amplitude da sua dificuldade. Você poderia fazer uma avaliação junto a um profissional para avaliar a amplitude de seus problemas e, se preciso, tentar corrigir estas dificuldades.

De 60 a 100 pontos
Com esta pontuação você deve estar começando a perceber que há uma série de situações onde há a presença da inibição. Isto dificulta sua vida de uma maneira muito mais abrangente e dificulta as atividades sociais e profissionais, limitando-as a um universo pequeno. Frente a estas dificuldades, você se sente "impedido" de exercer aquilo que gostaria de fazer. Além disso, você observa os outros fazendo o que querem e isso por si só lhe causa ainda mais sofrimento. Talvez seja a hora de procurar ajuda profissional.

Boxe 4: OS TÍMIDOS E O CORAÇÃO
*A imagem que se tem de um indivíduo tímido geralmente é a de alguém calado e calmo. Mas um estudo da Universidade Northwestern de Chicago diz que a timidez pode aumentar o risco de problema cardíaco. Segundo o estudo, homens tímidos têm uma probabilidade 50% maior de morrer do coração. O analista financeiro José Carlos de Meo, 45 anos, acredita que tímidos como ele tenham mais estresse e aflição diante de situações novas, o que foi comprovado pela pesquisa. "O coração bate mais forte quando preciso falar na frente de estranhos", diz ele.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG