Tia de menina austríaca deve ser indiciada por tortura

RIO DE JANEIRO - Após ouvir os depoimentos de vizinhos e do irmão da menina austríaca Sophie Zanger, de quatro anos, que morreu na última sexta-feira no Rio, o delegado titular da 36ª DP (Santa Cruz), Aguinaldo da Silva, deve indiciar a tia da criança, Geovana dos Santos Vianna, de 42 anos, e a filha dela, Lílian dos Santos, de 21, por tortura. A pena é de oito anos de prisão - o crime é hediondo e inafiançável - mas pode chegar a 10 anos pelo fato de a vítima ser uma criança.

Redação com Agência Estado |

Os maus-tratos já estão praticamente comprovados. Estamos colhendo mais depoimentos para provar que as surras eram constantes e indiciá-las, disse o delegado, que aguarda o laudo cadavérico do Instituto Médico Legal. Com o documento em mãos, Aguinaldo da Silva irá definir os próximos rumos da investigação.

Se ficar comprovado que a causa da morte foi o espancamento, elas também poderão ser indiciadas por homicídio doloso. Se ficar comprovado que a causa da morte foi o tombo, elas não serão indiciadas. Mas, de qualquer forma, as duas vão responder pelas agressões com a menina, afirmou.

Nesta terça-feira, Geovana e Lílian foram à delegacia e prestaram depoimento por mais de seis horas . Elas disseram que não batiam em Sophie e nem no irmão da menina, de 12 anos. As suspeitas relataram ainda à polícia a versão de que Sophie tería caído enquanto tomava banho e batido com a cabeça no box.

Foi uma fatalidade. A menina escorregou, caiu e foi socorrida. Não estamos foragidas e não tem ninguém pedindo nossa prisão, disse Lílian ao sair da delegacia . Sobre depoimentos de vizinhos apontando maus-tratos, afirmou: falam o que querem. Na quinta-feira será a vez dos médicos que atenderam Sophie prestarem depoimento.

No depoimento da última segunda-feira, o irmão de Sophie revelou que as surras de chinelo e tapas eram constantes e aplicadas por Geovana e Lílian. Dois dias antes da queda da menina no banheiro, ele notou que Sophie estava com forte cheiro de urina e muitos hematomas no corpo.

No dia 12, o menino dava banho na irmã, segundo ele, ao se virar para pegar uma toalha, Sophie caiu, bateu com a cabeça e desmaiou. Ela recobrou os sentidos, mas desfaleceu novamente. O garoto de 12 anos e a prima M., de 11 anos, chamaram os vizinhos. Após passar uma semana internada em coma, Sophie morreu na última sexta-feira .

AE

Maristela dos Santos (à esq.) deixa a 36ª DP

Os advogados do pai, o representante comercial austríaco Sascha Zanger, de 39 anos, anunciaram que a 27ª Vara Federal autorizou a entrega do corpo de Sophie a ele, que deverá ser levado para a Áustria.

A mãe das crianças, Maristela dos Santos, de 40 anos fará tratamento psicológico. Ela estava desaparecida há três meses e foi localizada na segunda-feira . Maristela confessou à polícia que, com medo de perder a guarda dos filhos, inventou que o ex-marido abusara do filho mais velho e admitiu saber que Geovana batia em seus filhos.

Sophie e o irmão de 12 anos, foram trazidos da Áustria pela mãe brasileira, sem o consentimento do pai em janeiro de 2008.

Entenda a trajetória da família

Sophie e o irmão de 12 anos moravam com a tia em Santa Cruz, na zona oeste do Rio de Janeiro. As duas crianças, que nasceram na Áustria, vieram para o Brasil há quase dois anos, acompanhados da mãe, Maristela dos Santos. Ela era casada com o representante comercial austríaco Sascha Zanger, que conheceu em 1993, quando ele passava férias no Brasil. Após dois anos de namoro, o austríaco levou-a para Viena.

Em 2006, o casal se separou por problemas no relacionamento. No entanto, em janeiro de 2008, a ex-mulher do representante comercial pegou os dois filhos e veio para o Brasil, sem a autorização de Sascha. Maristela foi morar na casa da irmã, mas estava desaparecida desde março. Com isso, a tia das crianças conseguiu a guarda provisória dos sobrinhos.

O pai de Sophie disse que pagava uma pensão de cerca de 1.500 eurospara os filhos, mas que eles viviam em um barraco, em condições insalubres. Ela [a tia] só estava vendo os euros. Ela não estava vendo as crianças. Ela não queria cuidar das crianças. A única intenção foi só o dinheiro,  avaliou.

*com informações da Bandnews

Veja o vídeo sobre o caso:

Leia mais sobre: violência contra crianças

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG