Tesouros olímpicos da Grécia Antiga encantam em exposição em Xangai

Xangai, 15 jul (EFE).- Quando falta menos de um mês para o início dos Jogos Olímpicos de Pequim, o famoso Discóbolo e mais de 100 esculturas e porcelanas da Grécia Antiga olímpica acabam de passar pela China, onde puderam ser apreciadas por mais de 330 mil visitantes chineses em uma exposição temporária em Xangai.

EFE |

As peças, da coleção do Museu Britânico de Londres, foram exibidas pela primeira vez no país em uma mostra que, durante dois meses e meio, permitiu que os visitantes compreendessem as origens dos Jogos e como eles eram na Antiguidade.

"Entre todas as obras, o 'Discóbolo' (estátua que mostra um homem arremessando um disco) é um símbolo universal da arte clássica grega e dos Jogos Olímpicos, e é extraordinário que saia de Londres para ser exibida por alguns meses aqui na China", declarou à Agência Efe Lu Pengliang, do departamento de Exposições do Museu de Xangai.

"Muitas pessoas se interessaram pela exposição, pois conhecem os Jogos Olímpicos modernos, mas não sabem de onde vêm e desejavam compreender como eram na Antiguidade, quando tudo era tão diferente", explicou Lu.

"Queríamos conhecer melhor a história dos Jogos Olímpicos", comentou nos corredores do museu a idosa Lu Lanzhuo, que visitou várias vezes a mostra com seu marido, já que "não tinham condições de viajar até o Reino Unido para ver tudo isto".

"É importante que recebamos tesouros de outros países e que os da China viajem ao exterior", acrescentou seu marido, Sun Wenyuan, que afirmou que a arte antiga européia os havia ajudado a compreender melhor a origem do espírito olímpico.

Os jovens também se mostraram muito interessados nos mármores, bronzes e porcelanas milenares da Grécia Antiga, cujos temas e decoração refletem diferentes aspectos das competições olímpicas.

"No ano passado li vários livros sobre a história da Europa e aprendi que a civilização ocidental vem da cultura grega, portanto queria ver como era e tirar alguma impressão desta exposição", declarou o estudante Gu Xiaoyu.

"Acho que antigamente só os homens podiam competir, e tenho a impressão de que os Jogos deviam estar relacionados ao treinamento militar, para que o povo se fortalecesse ou melhorasse o aspecto físico", concluiu Gu sobre as proporções perfeitas das esculturas gregas.

Entre os visitantes, houve inclusive quem afirmasse ter visitado a mostra dezenas de vezes nas últimas semanas, como o pintor Shun Xiaoping, que, segurando dois potes de bambu com tinta chinesa em uma mão e um pincel na outra, copiava personagens tomados das ânforas gregas sobre as folhas amareladas de um livro envelhecido.

"Descobri que a linha, já na pintura européia antiga, é muito impressionante. Agora compreendo que foi uma evolução natural", disse Shun, que intuiu corretamente que a arte grega deveria ter influenciado diretamente gênios europeus como Pablo Picasso. EFE jad/ev/fal

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG