Tese sobre amor secreto de Goethe é refutada por fundação alemã

BERLIM, 21 JUL (ANSA) - A tese de um jurista italiano residente na Alemanha, Ettore Ghibellino, que afirma que o escritor alemão Johann Wolfgang Goethe teve um relacionamento com a duquesa Anna Amalia, não foi aceita pela Fundação de Estudos Clássicos de Weimar, informou hoje a revista alemã Der Spiegel.

Agência Ansa |

Segundo Ghibellino, a verdadeira musa inspiradora e amante do poeta era a duquesa Anna Amália, e não sua dama de companhia, Charlotte Von Stein, que ficou conhecida como sendo o objeto do amor de Goethe. Goethe e Anna Amalia teriam tido um relacionamento secreto por dez anos e Charlotte seria somente um disfarce para encobrir o amor proibido do poeta. 

Se a hipótese fosse comprovada, a obra de Goethe poderia ser lida à luz de novas interpretações. O jurista italiano dedicou-se à pesquisa da suposta relação secreta e fundou até mesmo o grupo "Os Amigos de Anna Amalia e Goethe", que conta com cerca de 200 intelectuais de toda a Europa. Também escreveu um livro sobre o assunto, lançado em 2004.  

Agora, a fundação de Weimar, que até hoje havia simplesmente ignorado Ghibellino, definiu a tese como uma "invenção de seu autor" e acusou o jurista de manipular fontes, descontextualizar citações e interferir em textos. Ghibellino planeja uma resposta pública. (ANSA)

    Leia tudo sobre: goetheliteratura

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG