Terremoto do centro da Itália danificou vários monumentos históricos

Vários monumentos históricos foram danificados nesta segunda-feira pelo forte terremoto que atingiu, principalmente, a região de Abruzzos, no centro da Itália, matando pelo menos 100 pessoas.

AFP |

A cidade de L'Aquila, capital de Abruzzos, fundada no século XIII, foi uma das mais afetadas devido ao grande número de bens arquitetônicos que possui, em grande parte, da Idade Média.

Uma de suas mais belas e imponentes igrejas, a basílica de Santa Maria di Collemaggio, do século XIII, assim como as igrejas barrocas de Santo Agostinho e do Suffragio, do século XVIII, sofreram desabamentos parciais, indicou em um comunicado o Ministério para os Bens Culturais italianos.

O campanário da igreja de São Bernardino, joia do século XV e cuja fachada sobreviveu a vários terremotos, desabou, indicou a mesma fonte.

O imponente castelo do século XV, construído durante a dominação espanhola, que é sede do Museu Nacional de Abruzzos, também sofreu danos materiais e teve que ser fechado.

O tremor foi registrado de madrugada e foi sentido em toda a região central da Itália, acordando muitos moradores de Roma com a queda de objetos e móveis.

Em Roma, as famosas Termas de Caracalla, um dos monumentos mais imponentes da Roma imperial, construídas no século III, ficaram levemente danificadas pelo terremoto.

Segundo o encarregado dos bens arqueológicos de Roma, Angelo Bottini, "os especialistas constataram alguns danos que devem ser avaliados com maior precisão", disse.

As outrora luxuosas termas, a poucos metros de distância do Coliseu, são uma das maiores atrações turísticas da capital e são consideradas uma das obras-primas da engenharia romana.

Um fotógrafo da AFP visitou as ruínas e constatou que foram abertas normalmente ao público e que os danos não eram evidentes.

Bottini indicou que outros monumentos romanos, como o Foro Romano e o Coliseu, não foram afetados.

A Itália possui um patrimônio artístico inestimável, cuja fragilidade ficou evidente durante os terremotos de setembro e outubro de 1997 na Umbria e em Marcas, duas regiões do centro.

Nessa ocasião a famosa basílica de São Francisco de Assis, célebre pelos afrescos de Giotto, desabou e tevo que ser submetida a uma grande e custosa restauração.

cj-kv/dm

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG