Terremoto de magnitude 6,5 atinge o Acre

Moradores não sentiram o abalo, apesar da magnitude, pois o terremoto ocorreu a uma profundidade superior a 500 quilômetros

Camila Nascimento, iG São Paulo |

Um terremoto de magnitude 6,5 graus na escala Richter foi registrado nesta segunda-feira próximo à cidade de Cruzeiro do Sul, no Acre, informou o Instituto de Pesquisa Geológica dos Estados Unidos (USGS, pelas iniciais inglês).

Arte/iG
Terremoto de magnitude 6,5 atinge o Acre

Não há informações sobre danos ou vítimas. Segundo o Corpo de Bombeiros de Cruzeiro do Sul, a corporação não recebeu um telefonema se referindo ao abalo de terra. A Defesa Civil também não registrou ocorrências relacionadas ao terremoto.

O major Moisés Antônio Silva, comandante local do Corpo de Bombeiros, explicou em entrevista ao iG que a área onde foi registrado o abalo é pouco povoada e predominantemente de floresta.

O epicentro do tremor foi detectado, às 13h18 (horário de Brasília) desta segunda-feira, a 464 quilômetros de Rio Branco, capital  do Acre, e a 749 quilômetros de Lima, capital do Peru. O terremoto ocorreu a uma profundidade de 580,5 quilômetros.

"Por conta da profundidade, os moradores não sentiram o tremor", afirmou a geógrafa Kate Tomé de Souza, do Observatório Sismológico da Universidade de Brasília (UnB) ao iG . "Quando as ondas chegam a superfície, já estão mais fracas. Em geral, terremotos a mais de 500 km de profundidade não deixam sinais na superfície", completou, afirmando que "nessa região é normal que tenha esse tipo de evento".

Segundo a geógrafa, na região acontece o encontro das placas de Nazca e da Sul-Americana. "O tremor desta segunda-feira ocorreu devido ao 'mergulho' da placa de Nazca na Sul-Americana", explicou. "Mas como são eventos em que a profundidade é muito alta, mesmo com a forte magnitude, os moradores não sentiram".

O último tremor na região havia sido registrado no dia 25 de abril, a 85 quilômetros de Cruzeiro do Sul, com magnitude 4,9. Esse abalo, porém, foi sentido pela população, já que aconteceu a uma profundidade bem menor, de 14 quilômetros.

Um terremoto na casa dos 6 graus na escala Richter é capaz de causar extensos danos, mas isso depende de uma série de fatores, como a profundidade do tremor e a distância entre o epicentro e áreas de grande densidade demográfica.

No Brasil, até hoje, apenas uma pessoa morreu em consequência de um terremoto. A morte foi registrada em 2007, na comunidade rural de Caraíbas, distante 35 km de Itacarambi, em Minas Gerais. O tremor teve magnitude de 4,9 graus.

Maiores abalos sísmicos no Brasil

Os maiores tremores no País, segundo o Observatório Sismológico da Universidade de Brasília (UnB), foram registrados no Mato Grosso (6,2 graus, em 1955), seguido do litoral do Espírito Santo (6,1 graus, em 1955) e Tubarão, em Santa Catarina (5,5 graus, em 1939) e Amazonas (5,5 graus, em 1983).

Segundo o órgão, o ranking é feito de acordo com a escala chamada Mercalli em que são considerados os abalos "mais expressivos" - aqueles em que a profundidade não é alta e, portanto, os moradores da região sentem o tremor e danos podem ser registrados.

Se levada em consideração apenas a magnitude (outra forma de medição), o Acre é a região que apresentou os maiores tremores. Segundo o Observatório Sismológico da Universidade de Brasília, em 1990, também na divisa do Peru com o Acre, foi registrado terremoto de 6,7 graus. Em 2002, detectou-se tremor de magnitude 6,5. "O Acre é o Estado que apresenta o maior nível de atividade sísmica no Brasil. Porém, normalmente ocorre em regiões pouco habitada e a profundidade é muito alta. Portanto, não provocam danos ou são sentidos. Foi assim agora, em 2002 e em 1990", explicou Kate.

A geógrafa completou que hoje não há um estudo na região sobre os danos provocados por essa sequência de tremores. "Não há um estudo sísmico para saber se, no futuro, pode acontecer danos maiores", afirmou.

Confira o ranking dos principais terremotos já registrados no País e no mundo:

    Leia tudo sobre: terremotoAcre

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG