Termina greve de residentes em SP, DF e PE

Bahia, Rio Grande do Sul e Espírito Santo decidiram manter o movimento por considerar o reajuste concedido insuficiente

Agência Brasil |

Após 29 dias de paralisação, os médicos-residentes do Distrito Federal (DF), de Pernambuco e de São Paulo resolveram suspender o movimento.

A decisão foi tomada durante assembleia realizada na tarde de ontem (15). Os médicos-residentes aceitaram o reajuste de 22% para a bolsa auxílio, proposto na terça (14) pelos ministros da Saúde, José Gomes Temporão, e da Educação, Fernando Haddad. O valor passará de R$1.916,45 para R$ 2.338,09. O reajuste começa a vigorar a partir de janeiro de 2011.

Os médicos-residentes da Bahia, do Rio Grande do Sul e do Espírito Santo decidiram manter a greve. Eles consideraram a proposta do governo insuficiente e defendem reajuste de 38,7% para a bolsa auxílio, congelada desde 2007. Além disso, eles querem outros benefícios, como o aumento da licença-maternidade de quatro para seis meses e décimo terceiro salário. Os outros estados que aderiram ao movimento não chegaram a acordo sobre o fim da paralisação.

Amanhã haverá outra assembleia em São Paulo para esclarecer alguns pontos que os grevistas ainda não resolveram, como a reposição salarial dos dias parados. Os médicos- residentes paulistas devem retornar ao trabalho na próxima sexta-feira (17) e os de Brasília vão esperar pela definição da forma de pagamento dos dias parados. Eles voltam ao trabalho na segunda-feira (20).

    Leia tudo sobre: médicos-residentesgreve

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG