Terapia agressiva pode fazer mal a diabético

Tratamentos rigorosos para diminuir o risco de problemas cardiovasculares em pacientes com diabete tipo 2 mostraram-se ineficientes. Eles podem até potencializar os efeitos colaterais por causa da quantidade de remédios administrados.

Agência Estado |

Essas são as conclusões de dois grandes estudos recém-publicados na revista científica "The New England Journal of Medicine".

Os pesquisadores queriam saber, por exemplo, se reduzir a pressão sistólica - a força com que o sangue é impulsionado para fora do coração - para o limite de 120 milímetros de mercúrio protegeria diabéticos com elevados níveis de colesterol e histórico de doenças cardiovasculares.

Os 4.733 voluntários foram divididos em dois grupos. Metade recebeu tratamento intensivo para diminuir a pressão a níveis inferiores a 120 milímetros. Os demais passaram pela terapia-padrão para diabéticos nos EUA, que visa a manter a pressão em até 140 milímetros.

Conclusão: embora tenham alcançado a meta, os pacientes do primeiro grupo não ficaram isentos de ataques cardíacos e se tornaram mais suscetíveis aos efeitos colaterais dos medicamentos, como o aumento da função renal e dos níveis de potássio no sangue. Eles tomaram uma média de 3,6 remédios, ante 2,1 dos diabéticos do segundo grupo.

Colesterol

Diabéticos tendem a apresentar baixos níveis do chamado colesterol bom (HDL) e altos índices de triglicérides no sangue, uma combinação que aumenta os riscos de doenças cardiovasculares. Para investigar o problema, outro estudo avaliou 5.518 voluntários. Um dos grupos recebeu sinvastatina, medicamento para reduzir o colesterol. O outro recebeu o mesmo remédio associado a um fibrato, tipo de droga que diminui o colesterol ruim e aumenta o HDL. O grupo que recebia dois remédios não teve nenhum benefício quando comparado ao grupo que só tomou um. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

AE

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG