Temporão critica decisão da Igreja de excomungar envolvidos em aborto de menina

BRASÍLIA - O ministro da Saúde, José Gomes Temporão, afirmou nesta quinta-feira que a decisão da Igreja Católica de excomungar os envolvidos no aborto de uma menina de 9 anos no interior de Pernambuco foi ¿radical¿ e ¿inadequada¿. A excomunhão foi anunciada na quarta-feira pelo arcebispo de Olinda e de Recife, dom José Cardoso Sobrinho. De acordo com a polícia, o padrastro da criança já confessou que abusava da garota.

Agência Brasil |

A lei brasileira é muito clara: a interrupção da gravidez é autorizada em caso de estupro. Trata-se de uma criança e, do ponto de vista biológico, não acredito que ela tivesse condições de levar a termo essa gestação de gêmeos, disse, ao participar de entrevista a emissoras de rádio durante o programa "Bom Dia, Ministro".

Para Temporão, o ato de excomungar os envolvidos no aborto é um contra-senso diante do que aconteceu à criança, vítima de estupro pelo padrasto. Fiquei chocado com os dois fatos: com o que aconteceu com a menina e com a posição desse religioso que, equivocadamente, ao dizer que defende uma vida, coloca em risco uma outra tão importante.

A menina está em uma maternidade pública do Recife, onde foi internada na última terça-feira, quando começou a receber medicamentos para interromper a gravidez. No fim da manhã de ontem, a direção do hospital confirmou o aborto.

Veja também:

Leia mais sobre: abuso sexual

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG