Temporão admite erro do governo no combate à dengue

O ministro da Saúde, José Gomes Temporão, reconheceu hoje, em Maceió, que o governo federal errou no combate à dengue, quando não deu à questão a dimensão necessária, mas que procura corrigir esse erro, cobrando dos governadores e prefeitos do Brasil ações mais efetivas no enfrentamento da doença. Segundo Temporão, se cada um não fizer a sua parte, teremos em 2009 uma epidemia maior do que a registrada este ano em alguns Estado.

Agência Estado |

"Precisamos da participação de todos os setores da sociedade para conter o avanço da doença no País", acrescentou.

De acordo com ele, em 2007, foram registrados 258 mil casos no País; este ano, o número de notificações passa de 230 mil. Desse total, 54,18 mil ocorrências foram registradas do Nordeste, que, em 2007, registrou 41 mil casos. "Os números mostram o avança da doença em todos os Estados nordestinos, principalmente na Bahia (12,6 mil casos), no Rio Grande do Norte (11,82 mil) e no Ceará (10,08 mil)", afirmou.

Segundo Temporão, o governo tem preocupação com a temporada de chuvas no Norte e Nordeste. Por isso, em maio, o ministro da Saúde visitará os Estados do Norte para pedir o engajamento dos governadores da região no combate à enfermidade. "Outra região que preocupa é o Sudeste, onde a doença avança e precisa ser controlada", disse. Para Temporão, a situação da moléstia no Rio agravou-se por causa da "apatia" da população diante da dificuldade.

"Ou a população ajuda o governo no combate à dengue ou vamos perder a luta contra o mosquito", disse, acrescentando que pediu o apoio das e multinacionais e de grandes empresas estatais - a exemplo da Coca-Cola, McDonald's, Unilever, Petrobras, Caixa Econômica Federal (CEF) e Banco do Brasil (BB) - para que promovam campanhas de combate à doença infecciosa, conscientizando os empregados e consumidores, por meio de mensagens educativas nos produtos e serviços.

Mobilização

O ministro declarou ainda que a mobilização é um trunfo importante na luta contra o mosquito. Para isso, Temporão prosseguiu afirmando que espera contar com a ajuda de bandas de forró, axé e grupos de pagode na exibição de publicidade sobre a conscientização da importância da prevenção, durante shows pelo País. "Em 1996, a dengue estava presente em 1.753 (cidades); este ano, já atinge mais de 3.970 cidades brasileiras e a tendência é se espalhar ainda mais", acentuou.

Para fazer frente ao avanço da doença no País, o ministro anunciou que a administração federal pretende criar a força nacional de saúde, composta por 700 técnicos especializados em combate a endemias. "Essa força será criada nos moldes da Força Nacional de Segurança (FNS) para atuar em locais específicos, onde haja situação de risco de epidemia ou de calamidade pública", detalhou.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG